PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

Receba os novos posts desta coluna no seu e-mail

Email inválido
Seu cadastro foi concluído!
reinaldo-azevedo

Reinaldo Azevedo

mauricio-stycer

Mauricio Stycer

josias-de-souza

Josias de Souza

jamil-chade

Jamil Chade

Carla Araújo

REPORTAGEM

Texto que relata acontecimentos, baseado em fatos e dados observados ou verificados diretamente pelo jornalista ou obtidos pelo acesso a fontes jornalísticas reconhecidas e confiáveis.

Deputado quer que ministro de Minas e Energia explique por que deixou cargo

Ex-ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque - PILAR OLIVARES
Ex-ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque Imagem: PILAR OLIVARES
Carla Araújo

Jornalista formada em 2003 pela FIAM, com pós-graduação na Fundação Cásper Líbero e MBA em finanças, começou a carreira repórter de agronegócio e colaborou com revistas segmentadas. Na Agência Estado/Broadcast foi repórter de tempo real por dez anos em São Paulo e também em Brasília, desde 2015. Foi pelo grupo Estado que cobriu o impeachment da presidente Dilma Rousseff. No Valor Econômico, acompanhou como setorista do Palácio do Planalto o fim do governo Michel Temer e a chegada de Jair Bolsonaro à Presidência.

Do UOL, em Brasília

13/05/2022 17h35

O deputado federal Paulo Ramos (PDT-RJ) quer que o ex-ministro de Minas e Energia, almirante Bento Albuquerque, explique aos parlamentares as razões que levaram o presidente Jair Bolsonaro (PL) a exonerá-lo nesta semana.

Ramos protocolou, nesta sexta-feira (13), um requerimento para que a Comissão de Trabalho da Câmara dos Deputados possa convocar ou convidar o ministro para prestar esclarecimentos. Para que o almirante seja ouvido, porém, a comissão ainda precisa aprovar o requerimento.

Na avaliação do deputado, "ao que parece, a exoneração do ministro tem relação com o processo de privatização da Eletrobras, que incluiu suspeita na avaliação para menor (precificação) e favorecimento a grupos econômicos facilmente identificáveis", disse.

O deputado é contrário à privatização da Eletrobras e acredita que há inconsistências no processo. "A votação (da privatização da Eletrobras) está prestes a acontecer no TCU (Tribunal de Contas da União) e a manifestação preliminar, já divulgada, do ministro Vital do Rêgo, sinaliza a existência de ilegalidades e outras inconsistências. É provável que o presidente da República tenha encontrado na exoneração o caminho para abafar a crise", diz.

Além das dificuldades em torno da privatização da Eletrobras, Albuquerque vinha sofrendo um desgaste por conta dos sucessivos aumentos no preço dos combustíveis.

Ontem, durante sua live semanal, o presidente afirmou que a saída de Bento Albuquerque ocorreu porque "tínhamos um pequeno problema na Petrobras".