IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Abusa de café e doces? Veja 6 hábitos alimentares inimigos da produtividade

Getty Images
Imagem: Getty Images

Do UOL, em São Paulo

09/11/2016 06h00

Quando o cansaço bate ao longo do dia e o trabalho parece não render, a culpa pode ser do que você comeu (ou não) mais cedo. Abusar dos doces ou pular refeições, por exemplo, pode prejudicar sua produtividade. A solução é prestar atenção ao que comemos --e em como comemos.

Confira abaixo alguns hábitos alimentares inimigos do bom rendimento no trabalho. As dicas foram reunidas em um artigo do site americano EverUp, e republicadas pelo Business Insider. 

1) Pular o café da manhã

Getty Images
Imagem: Getty Images

A sabedoria popular já dizia: "saco vazio não para em pé". Sair de casa em jejum não é boa ideia. Depois de uma noite de sono, o nível de açúcar no sangue fica baixo e falta energia para o nosso corpo --inclusive o cérebro-- desempenhar bem suas funções.

"Coma uma boa fonte de proteína [iogurte, leite, ovos, frios etc.] no café da manhã para estabilizar os níveis de glicose no sangue ao longo do dia e ter energia constante para o corpo e o cérebro", afirma Erin Palinski Wade, autora do livro "Belly Fat Diet For Dummies" ("Dieta para Gordura da Barriga para Leigos", em português).

2) Almoço rico em carboidratos

Getty Images
Imagem: Getty Images

Outra dica que parece simples, mas é importante: a qualidade do que se come no almoço também afeta a produtividade no restante do dia.

O ideal é maneirar nos alimentos ricos em carboidratos simples, como arroz branco, macarrão, pão branco, refrigerantes, sucos concentrados e doces. Por serem digeridos rapidamente, eles causam picos e quedas bruscas de energia.

O melhor é optar por alimentos com carboidratos que são digeridos mais lentamente pelo corpo, como cereais integrais, vegetais e grãos (feijão, lentilha, ervilha etc.). 

O ideal é que, após o almoço, o nível de açúcar no sangue fique estável, mantendo uma energia mais contínua até a próxima refeição.

3) Pular o almoço

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Quando você tem muita coisa para fazer em pouco tempo, acha que uma boa tática é deixar o almoço de lado e aproveitar aquela hora a mais para acelerar as tarefas? Está enganado.

Alimentar-se corretamente, com uma refeição nutritiva, melhora o desempenho do cérebro. A falta de energia para o corpo, por outro lado, faz a produtividade cair.

Wade diz que a glicose é a principal fonte de energia para o cérebro, por isso é importante mantê-la em um nível constante ao longo do dia. A autora sugere comer algo em intervalos de duas a quatro horas, ingerindo a energia necessária para permanecer concentrado e alerta.

4) Tomar muito café

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Quando bate o cansaço do meio da tarde, você costuma apostar naquela xícara de café? Ok, a cafeína pode ser uma aliada para conseguir retomar a atenção e completar o que tem para fazer, mas abusar na quantidade pode ter o efeito contrário.

Tomar mais do que quatro xícaras de café por dia pode ter efeitos negativos no corpo, como inquietação, irritabilidade, nervosismo e dores de estômago, o que atrapalha a qualidade do trabalho.

5) Tomar pouca água

Getty Images
Imagem: Getty Images

A desidratação também pode afetar bastante as funções cerebrais. Beber menos água do que o necessário pode causar impacto na concentração e memória de curto prazo. Mesmo uma desidratação moderada pode afetar o humor, a energia e a habilidade de pensar claramente.

A recomendação clássica de médicos é tomar dois litros de água por dia, mas um estudo científico contesta isso.

6) Abusar dos doces no meio da tarde

Getty Images/iStockphoto
Imagem: Getty Images/iStockphoto

Passadas algumas horas do almoço, quando a fome bate novamente, pode surgir a tentação de atacar aquele chocolate ou bolinho, mas o melhor é tentar controlar esse impulso.

Como dito antes, os doces elevam rapidamente o nível de açúcar no sangue, aumentando bruscamente a energia para o trabalho. Em pouco tempo, porém, esse açúcar no sangue vai diminuir muito e rapidamente, causando sonolência.

Mais Economia