PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Empregos e carreiras

Pedidos de seguro-desemprego caem em março e na 1ª quinzena de abril

Rodrigo Bellizzi/Getty Images/iStockphoto
Imagem: Rodrigo Bellizzi/Getty Images/iStockphoto

Do UOL, em São Paulo

28/04/2020 12h09Atualizada em 28/04/2020 12h34

Os pedidos de seguro-desemprego caíram em março e na primeira quinzena de abril, na comparação com o mesmo período de 2019, informou hoje o governo federal. No entanto, um atraso na coleta dos dados pode fazer com que o número deste ano seja maior.

Em coletiva de imprensa no Palácio do Planalto, técnicos do Ministério da Economia informaram que os pedidos de seguro-desemprego em março somaram 536.846, contra 556.226 no mesmo mês do ano passado (redução de 19.380 pedidos). Na primeira quinzena de abril, os pedidos foram de 267.693, contra 310.509 no mesmo período de 2019 (-42.816).

Por causa de um atraso no recebimento de informações devido ao fechamento de postos de atendimento ao trabalhador, o ministério estima que haja uma fila de espera de aproximadamente 200 mil pedidos. Com isso, o saldo de solicitações de seguro-desemprego em março e primeira quinzena de abril teria uma alta de cerca de 150 mil em relação ao ano passado.

Esse aumento, que ainda não foi computado, é um reflexo do fechamento de empresas por causa da quarentena de estados e municípios em função do coronavírus, afirmaram os técnicos.

Apesar da crise gerada pela pandemia, o secretário de Trabalho, Bruno Dalcolmo, afirmou que os pedidos de seguro-desemprego não se descolaram do perfil histórico de outros anos.

"Essa é uma crise de grande magnitude não apenas no Brasil mas no mundo todo, [apesar disso] não há um setor que esteja se descolando do seu perfil histórico em termos de participação no percentual no volume de solicitações de seguro-desemprego", declarou.

Pedidos são só para trabalhadores formais

Os pedidos de seguro-desemprego consideram apenas trabalhadores formais (com carteira assinada). No caso dos trabalhadores informais, o governo disponibilizou o auxílio emergencial de R$ 600.

Desde que o pagamento do auxílio foi anunciado, diversos problemas foram relatados por quem tenta se cadastrar para receber o benefício.

Empregos e carreiras