PUBLICIDADE
IPCA
-0,68 Jul.2022
Topo

NFT: o que é? Quais os mais caros já vendidos? Como criar um?

Bored Ape, NFT que integra a coleção do Bored Ape Yacht Club - Divulgação/Yuga Labs
Bored Ape, NFT que integra a coleção do Bored Ape Yacht Club Imagem: Divulgação/Yuga Labs

Camila Corsini

Colaboração para UOL

30/07/2022 04h00Atualizada em 03/08/2022 18h25

Nos últimos anos, você com certeza ouviu falar em pelo menos um desses três termos: NFT, bitcoin e metaverso. O que eles têm em comum? Representam parte do universo dos criptoativos, que têm movimentado a internet e as negociações digitais.

Apesar de não serem termos tão populares, como é o caso da Bolsa de Valores, estamos falando de muito dinheiro: apenas em 2021, as negociações dos tokens não-fungíveis, os chamados NTFs, movimentaram cerca de US$ 24,9 bilhões, de acordo com o DappRadar.

Esse investimento vale a pena? É para todo mundo? Como criar meu próprio NTF? O UOL Economia elencou as principais dúvidas sobre o tema.

NFT: o que é, como funciona e mais

O que é NFT?

NFT é a abreviação de "Non-Fungible Token", que em português significa "Token Não-Fungível". Um token é um símbolo eletrônico que representa um bem. Ele tem características únicas e não pode ser substituído por outra coisa.

Quase tudo pode ser um NFT: obras de arte, músicas, imóveis, itens colecionáveis, medalhas olímpicas, assentos em um evento, memes ou até mesmo uma postagem nas redes sociais.

Um exemplo é o primeiro tuíte da história, feito pelo cofundador e ex-CEO do Twitter, Jack Dorsey, em 21 de março de 2006. Cerca de 15 anos depois, o NFT foi leiloado por US$ 2,9 milhões. O valor foi convertido para bitcoin e doado a uma instituição social.

Como surgiu o NFT?

Os NFTs surgiram em 2014, quando o artista americano Kevin McCoy vendeu uma obra chamada Quantum com um código criptografado de autenticidade embutido por meio da tecnologia blockchain -que é uma forma de rastrear determinadas operações realizadas pela internet, como um "livro de registro".

Mas foi apenas em 2017 que a expressão NFT surgiu e foi popularizada, referindo-se a bens digitais únicos que são emitidos por blockchain. O grande boom aconteceu em 2019 e, no ano passado, tornou-se uma tendência no mundo dos ativos digitais.

Como e onde comprar um NFT?

Os NFTs podem ser comprados em plataformas de negociação, sejam elas ligadas a uma exchange ou independentes -que se dedicam a um ou a poucos projetos. Nesse caso, basta criar uma conta na plataforma escolhida ou acessar uma já existente, conectar a carteira digital, verificar o saldo e comprar o NFT.

As operações podem ser feitas com moedas físicas, como euro, dólar e real, ou digitais, como ether, AXS, entre outras. Grande parte das negociações acontece na plataforma OpenSea, considerada a maior do mundo no setor.

Em que contextos um NFT é usado?

O NFT pode ser usado nos mais diversos contextos possíveis. Como ele pode ser qualquer coisa, desde produtos ou até mesmo experiências, o NFT é extremamente flexível. Isso permite muitas funcionalidades e aplicações: associação a um clube exclusivo, registro de imóvel, obra de arte, ingresso de show e muito mais.

Um exemplo é o Bored Ape Yatch Club (Bayc). Pelo nome, talvez você não conheça a obra -mas provavelmente já cruzou com as imagens de um "macaco entediado", que virou até mesmo a foto de perfil de Neymar em suas redes sociais e também foi adquirida por Justin Bieber.

Mais do que uma imagem divertida, ela demonstra status. O jogador, por exemplo, investiu o equivalente a R$ 790 mil na obra e pode ter acesso a eventos exclusivos promovidos pela Yuga Labs, empresa criadora das imagens dos macacos. Uma espécie de clube VIP.

Quais os tipos diferentes de NFT?

Quase todo tipo de produção digital pode ser registrado por meio de tokens não-fungíveis. Pode ser uma música, filme, vídeo, post de redes sociais, gifs, memes etc.

No Mercado Bitcoin, que é a maior exchange da América Latina, já foram negociados NFTs colecionáveis digitais de carros antigos, comemorativos do canal SBT e também da banda Maneva.

Durante o NFT.Rio, primeiro evento internacional dedicado exclusivamente aos NFTs, foram apresentados os tokens de impacto. São chamados assim os produtos que representam uma nova forma de conexão entre artistas, projetos sociais e público.

Alguns exemplos são os Hungry NFTs, com o objetivo de combater a fome no Brasil; do Metaverso Chapadão, voltado para a educação de crianças vulneráveis; e também os Keepers, que se propõem a ajudar na regeneração da biodiversidade pantaneira.

Quais os NFTs mais caros já vendidos no mundo?

O título de NFT mais caro da história é da obra The Merge, criada por Park, um artista digital que tem a identidade anônima. Ela pertence a cerca de 30 mil colecionadores, que compraram suas mais de 312 mil cotas - no total, ela vale US$ 91,8 milhões, o equivalente a R$ 475 milhões.

Na lista dos NFT mais caros, ainda estão, na ordem:

  • 2º - A obra "Everydays", vendida em março de 2021 em um leilão da Christie's, representa uma colagem de 5 mil fotografias tiradas por Beeple diariamente, de 1° de maio de 2007 a 7 de janeiro de 2021. Valor: US$ 69,3 milhões.
  • 3º - Mais uma obra de Beeple, Human One foi vendida em novembro do ano passado e representa uma escultura digital de um astronauta caminhando, exposta em uma caixa de metal e vidro com quase dois metros de altura. Valor: US$ 30 milhões.
  • 4º - O número #5822 dos CryptoPunks ocupa o 4º lugar dessa lista. Ele pertence a uma coleção com 10 mil desenhos de 24x24 pixels em aparência estilo 8-bit, que está entre as mais conhecidas e valiosas do mundo atualmente. Valor: US$ 23,7 milhões.
  • 5º - Além de uma foto e uma escultura, Beeple também está na lista dos NFTs mais vendidos com um vídeo curto, de aproximadamente 10 segundos, criado para as eleições de 2020 nos Estados Unidos. Se o então presidente Donald Trump fosse eleito, o vídeo mostraria o republicano triunfante, o que não aconteceu. O NFT vendido por US$ 6,6 milhões mostra Trump no chão, com o corpo repleto de xingamentos.

Por que os NFTs são tão caros?

Os NFTs são caros justamente por representarem tokens exclusivos e originais, além de terem sido criados por artistas renomados no meio digital, como Beeple e Mad Dog Jones - o que aumenta consideravelmente a valorização do produto, ainda que virtual.

Com o boom do metaverso e do universo cripto, no geral, o interesse pelos NFTs também cresceu, o que provoca um efeito da já conhecida lei da oferta e demanda: quanto maior a procura, maior os preços.

Como criar um NFT?

Todo o caminho é bastante técnico e cada rede tem suas particularidades. O NFT é criado por um processo chamado mintagem (to mint, do inglês, que significa cunhar).

Nessa operação, um meta-arquivo ou metadado é armazenado e um contrato inteligente é confeccionado para que ela possa ser lido e visualizado. Esse arquivo pode ser de imagem, som, vídeo ou uma combinação entre eles.

Depois de criado, o processo de venda é como de qualquer outro criptoativo, em marketplaces que possibilitem transações.

Quem pode ter um NFT?

Qualquer pessoa pode ter um NFT, desde que possua login em um marketplace que ofereça as transações e compre o token. Ou que receba de presente por meio de uma carteira cripto.

Qual o sentido por trás do NFT?

O NFT é um criptoativo que representa um artista, uma marca, uma experiência, entre outras opções. A depender do que é oferecido, ele pode significar a conexão de uma ideia ou projeto com seu público.

Uma pessoa que é fã de determinado designer, por exemplo, pode se sentir mais próxima de suas referências ao ter uma obra digital, exclusiva e insubstituível criada por ele, ainda que o produto exista apenas no metaverso e não seja palpável.

O mesmo acontece com NFTs colecionáveis e adquiridos por personalidades, como é o caso do token comprado por Neymar. E também com os chamados "de impacto", que representam uma causa social.

NFT é um bom investimento?

Assim como qualquer investimento, é preciso estudo, cautela e análise. Por se tratar de criptoativos, os cuidados devem ser redobrados -eles ainda são recentes quando comparados a produtos convencionais, como moedas e títulos de renda fixa.

Assim como outros produtos, eles estão passíveis de valorizações e desvalorizações, influenciadas por motivos internos e externos -e não tão conhecidos, como é o caso do mercado tradicional.

Por isso, fique atento ao total de dinheiro que você está disposto a usar e aos riscos que a operação oferece para não cair em roubadas.

Como ganhar dinheiro com NFT?

Existem duas formas de ganhar dinheiro com o NFT: criando tokens ou revendendo-os. Se você é um artista, pode criar obras digitais, transformá-las em NFTs e fazer dessa operação uma renda. É possível começar a criar essas artes do zero, seguindo tutoriais na internet.

Se você não é do time criativo, e prefere ficar no mundo das operações, pode adquirir tokens e revendê-los quando houver valorização. Nesse caso, o preço de venda precisa ser maior que o de compra, considerando possíveis taxas, para que a operação valha a pena.

Como qualquer outro produto em carteira, esse investimento nem sempre vai gerar lucros de imediato. É preciso observar as movimentações do mercado, além de saber analisá-las, para não ficar no prejuízo.

Fonte: Bruno Milanello, executivo de Novos Negócios do Mercado Bitcoin; Binance; e DappRadar.

Guia de Economia

Guia de Economia