PUBLICIDADE
IPCA
1,06 Abr.2022
Topo

OPINIÃO

Texto em que o autor apresenta e defende suas ideias e opiniões, a partir da interpretação de fatos e dados.

Desaceleração da economia chinesa ameaça derrubar Ibovespa

Reprodução
Imagem: Reprodução
Conteúdo exclusivo para assinantes

Rafael Bevilacqua

20/04/2022 09h27

Esta é a versão online da edição de hoje da newsletter Por Dentro da Bolsa. Para assinar este e outros boletins e recebê-los diretamente no seu email, cadastre-se aqui.

É um fato conhecido que a China é o principal parceiro comercial do Brasil, tendo sido o destino de 31,28% das exportações brasileiras em 2021, o que equivale a US$ 87,6 bilhões. Além disso, 21,72% das importações brasileiras no mesmo período vieram da China.

Os principais produtos exportados pelo Brasil para a China são commodities, ou seja, insumos como minério de ferro, soja, carne e petróleo, que abastecem a cadeia produtiva chinesa.

Contudo, a segunda maior economia do planeta não vive um bom momento, e já começou a dar sinais de desaceleração no seu crescimento. A rígida política de covid zero adotada pelo país tem provocado lockdowns constantes, prejudicando a atividade econômica local.

Além disso, o setor de construção civil, um dos mais relevantes para a economia chinesa, vive uma crise sem precedentes. Após décadas de investimentos maciços, as construtoras chinesas enfrentam o problema da queda brusca da demanda por imóveis no país. Tal movimento foi simbolizado pelo colapso da incorporadora Evergrande, uma das maiores do mundo.

Outro fator preocupante é o cerco regulatório promovido pelo governo chinês às empresas de tecnologia do país, o que tem causado perdas a grandes companhias, como a Alibaba e a Tencent.

Diante do cenário atual, bancos e casas de análise de renome têm cortado suas projeções de crescimento para a China, e caso a desaceleração da economia chinesa se intensifique, companhias brasileiras, como a mineradora Vale (VALE3), devem ser prejudicadas.

Isso porque as empresas brasileiras do setor de commodities são altamente dependentes da demanda chinesa, o que faz com que as notícias ruins para a China também sejam ruins para o Ibovespa.

Leia no 'Investigando o Mercado' (exclusivo para assinantes do UOL Economia Investimentos): informações sobre a nova proposta de combinação de negócios entre as operadoras de shopping centers brMalls e Aliansce Sonae.

Um abraço,

Rafael Bevilacqua
Estrategista-chefe e sócio-fundador da Levante

Queremos ouvir você

Tem alguma dúvida ou sugestão sobre investimentos? Mande sua pergunta para uoleconomiafinancas@uol.com.br.

Este material foi elaborado exclusivamente pela Levante Ideias e pelo estrategista-chefe e sócio-fundador Rafael Bevilacqua (sem qualquer participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo qualquer tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco . Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.