Só para assinantesAssine UOL

WeWork: pode entrar com pedido de recuperação judicial, diz jornal; ações desabam

As ações da WeWork (NYSE: WE) desabam mais de 40% nas negociações desta quarta-feira (1) nos Estados Unidos. O mercado repercute a notícia divulgada pelo The Wall Street Journal de que a provedora de espaços de trabalho flexível pode entrar com pedido de recuperação judicial já na próxima semana no País.

Perto das 11h00 desta quarta-feira (1), os papéis da WeWork (WE ) negociados em NYSE caíam 49,45% na NYSE, a US$ 1,15.

Sediada em Nova York, a WeWork (NYSE: WE), que já chegou a ser avaliada em US$ 47 bilhões em 2019, convive com uma pesada carga de dívidas e prejuízos. Atualmente, vale cerca de US$ 121 milhões.

Procurada por agências de notícias, a WeWork disse que "não comentaria especulações". Na terça-feira (31), a empresa informou que havia concordado com credores em estender um período de carência de 1 mês para efetuar pagamentos de juros sobre algumas de suas dívidas que expirariam esta semana.

Assim, o novo "acordo de tolerância" terminará em 6 de novembro, segundo cronograma divulgado pela companhia.

Segundo um porta-voz da companhia, esse acordo de tolerância dará à empresa "tempo para continuar as conversas positivas com nossas principais partes interessadas financeiras e se envolver com elas para implementar nossos esforços estratégicos contínuos para melhorar nossa estrutura de capital".

Lançada em 2010 e tendo Adam Neumann como seu cofundador, a WeWork arrecadou bilhões de dólares e cresceu rapidamente. Em seu auge, operava escritórios em todo o mundo. Acabou se envolvendo em outras áreas, como uma escola primária e também edifícios residenciais.

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora