Só para assinantesAssine UOL

Magazine Luiza (MGLU3) conversa com bancos sobre potencial capitalização, diz jornal; ações despencam

A família fundadora do Magazine Luiza (MGLU3) está conversando com bancos e investidores sobre uma potencial capitalização da companhia, segundo fontes informaram ao Pipeline, site de negócios do Valor Econômico. As ações da companhia despencam no Ibovespa nesta terça-feira (14), liderando as perdas do índice.

Perto das 12h10, as ações ordinárias de Magazine Luiza (MGLU3) recuavam 5,78%, cotadas a R$ 1,63. No mesmo horário, o Ibovespa subia 2,25%, a 123.122 pontos.

Segundo a publicação, a varejista avalia chamar um aumento de capital privado da ordem de R$ 2 bilhões, no qual os Trajano entrariam com cerca de metade deste volume. Atualmente, a família detém 56% do Magazine Luiza.

Ainda de acordo com o Pipeline, os bancos teriam recomendado à empresa colocar de pé a operação ainda neste ano ou logo na virada para 2024, mas sem definição de prazo. O tema ainda não submetido ao conselho.

Magazine Luiza (MGLU3) sai de prejuízo para lucro de R$ 331,2 milhões no 3T23 com 'ajuda' de créditos tributários

O Magazine Luiza (MGLU3) anunciou um lucro líquido de R$ 331,2 milhões no terceiro trimestre de 2023 (3T23), revertendo o prejuízo reportado no mesmo período do ano passado, de R$ 190,9 milhões.

resultado do Magazine Luiza, conforme apontado em seu novo balanço trimestral, foi apoiado principalmente pela reversão de créditos tributários.

"Com base nos precedentes judiciais e na opinião dos nossos assessores legais, o Magalu reconheceu neste trimestre créditos tributários, referentes a períodos anteriores a 2022, no total de R$ 688,7 milhões, sendo R$ 533,1 milhões de principal e R$ 155,6 milhões de atualização monetária", explicou o balanço do Magazine Luiza.

Desconsiderando a reversão dos créditos tributários, o resultado do Magalu no terceiro trimestre de 2023 foi negativo em R$ 143,4 milhões, cerca de 15,7% menor que o prejuízo observado no 3T22.

Continua após a publicidade

A diminuição no prejuízo aconteceu mesmo com uma receita bruta 1,5% menor no 3T23, em comparação a 3T22, chegando a R$ 10,5 bilhões. Já a receita líquida, por sua vez, apresentou uma leve queda de 2,6% na base anual, a R$ 8,5 bilhões.

O relatório de resultados do Magazine Luiza também destacou o Ebtida ajustado da companhia, que encerrou o terceiro trimestre deste ano a R$ 487,5 milhões, cerca de 0,7% menor que o reportado em igual etapa de 2022. Por outro lado, a margem Ebitda foi de 5,7%, com ligeiro avanço anual de 0,1%.

Magazine Luiza vai diminuir seu patrimônio em R$ 322,1 milhões

conselho de administração do Magazine Luiza anunciou que a correção dos seus lançamentos contábeis, e que foram refletidos no formulário de informações trimestrais do 3T23, reflete um ajuste acumulado no patrimônio líquido da empresa no valor de R$ 829,5 milhões, já líquido de impostos e sem impacto no seu fluxo de caixa.

Foram reconhecidos neste trimestre o montante de R$ 688,7 milhões em créditos fiscais de PIS/COFINS em relação a bonificações que partiram de seus fornecedores, o que representa um valor líquido de impostos de R$ 507,4 milhões.

Levando em conta os ajustes, o patrimônio líquido do Magazine Luiza foi diminuído em R$ 322,1 milhões. Isso se deu após o anúncio de que a apuração, conduzida pelo Comitê de Auditoria, Riscos e Compliance da Companhia (CARC), pela TozziniFreire Advogados e PricewaterhouseCoopers, trouxe a conclusão de que era improcedente uma denúncia anônima registrada.

Continua após a publicidade

A apuração apontou, segundo o Magazine Luiza, que "foram identificadas incorreções em lançamentos contábeis relacionadas ao período de competência do reconhecimento contábil de bonificações em determinadas transações comerciais, e decorrente do fato de certas notas de débito terem sido emitidas pela companhia e assinadas por fornecedores sem observar com precisão as obrigações de desempenho, em momento específico no tempo, conforme dispõe o CPC 47 - receita de contrato com cliente", diz o comunicado.

Goldman: resultados do Magalu vieram linha com expectativas

Em relatório, o Goldman apontou que os resultados do 3T23 do Magazine Luiza ficaram amplamente em linha com as expectativas, tanto nos níveis de receita quanto no Ebitda ajustado.

Segundo o banco, a fraca procura contínua pelas categorias principais da varejista, combinada com o foco da gestão na rentabilidade, resultou num crescimento anual "morno" nas lojas físicas e um declínio no 1P, parcialmente compensado por um crescimento mais notável no marketplace.

"A maior participação de 3P no mix, bem como o repasse de preços, beneficiaram a margem bruta, embora observemos que isso foi quase totalmente compensado por um maior índice de custos de vendas, gerais e administrativos (maiores gastos para impulsionar o crescimento em 3P e os efeitos da desalavancagem operacional)", apontaram os analistas Irma Sgarz, Felipe Rached e Gustavo Fratini.

O Goldman lembra que a margem Ebitda do Magalu em outubro ficou entre 6% e 7% (versus 5,7% no 3T23), mas destaca que o período de vendas mais importante ainda está por vir, dada a relevância de novembro (Black Friday) e dezembro (vendas de final de ano) para o trimestre como um todo.

Continua após a publicidade

Sobre as imprecisões na contabilização de descontos a fornecedores em períodos anteriores, informada pelo Magalu, o Goldman disse que elas "não são tão materiais quanto outras que observamos no setor no passado recente e não têm impacto no caixa". "Dito isto, esperamos que os investidores reajam inicialmente com uma maior percepção de risco", acrescentou.

O Goldman tem recomendação neutra para as ações de Magalu, com preço-alvo a R$ 2,80.

BB Investimentos: melhorias operacionais do Magalu foram ofuscadas por inconsistência contábil

Em relatório, o BB Investimentos considerou o resultado do Magazine Luiza misto.

Do lado positivo, a casa observou crescimento das vendas no marketplace, incremento da margem bruta permitindo anular a perda de alavancagem operacional e fluxo de caixa livre robusto. No lado oposto, notou que a Magazine Luiza teve mais um trimestre de prejuízo, com vendas fracas tanto nas lojas físicas quanto no on-line com estoque próprio (1P).

"Apesar de termos observado um avanço em alguns indicadores da operação da companhia, entendemos que o reconhecimento de inconsistências contábeis neste trimestre adicionou maior risco à tese de investimento, a ser incorporado em nosso modelo de avaliação nos próximos dias", disse o BB Investimentos, que colocou o preço-alvo para o final de 2024 em revisão.

Continua após a publicidade

Magazine Luiza deverá se beneficiar de abordagem mais racional da taxa de juro, diz BTG

Em relatório, o BTG Pactual pontuou que os resultados do terceiro trimestre mostraram uma tendência de melhoria da lucratividade para a empresa, que espera persistir no quarto trimestre, mas que o volume geral de vendas da Magazine Luiza (GMV, na sigla em inglês) 1P continua em dificuldade.

"Entretanto, a Magazine Luiza deverá beneficiar da abordagem mais racional da taxa de juro e do seu modelo de negócio multicanal para alavancar a operação do mercado, juntamente com cortes nas taxas de juros no Brasil", disseram os analistas Luiz Guanais, Gabriel Disseli e Pedro Lima.

O BTG tem recomendação de compra para as ações de Magazine Luiza, com preço-alvo a R$ 6,00.

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora