Só para assinantesAssine UOL

Casas Bahia (BHIA3): S&P rebaixa rating nacional após resultados do terceiro trimestre; saiba mais

A S&P rebaixou os ratings de crédito de emissor e emissão do Grupo Casas Bahia (BHIA3) de 'br-A' para 'br-BBB-', na escala nacional. A perspectiva do rating de emissor é negativa.

Segundo a agência classificadora de risco, o rebaixamento da nota da Casas Bahia se deu após a divulgação dos resultados financeiros do terceiro trimestre deste ano, com números indicando que o grupo não atingirá as métricas de crédito esperadas na análise anterior.

"Em nossa visão, os resultados do acumulado do ano mostram que o grupo atualmente depende de condições de negócios, financeiras e econômicas favoráveis para retomar sua rentabilidade. Não esperamos uma crise de pagamento ou de crédito nos próximos 12 meses, mas entendemos que sua estrutura de capital atual é frágil", diz a S&P em relatório.

Apesar da evolução no plano de transformação, com alguns efeitos positivos já se materializando, a S&P acredita que os desafios para recuperar margens e desalavancar seguirão durante 2024, em um ambiente macroeconômico ainda difícil para o varejo.

Casas Bahia: estrutura de capital é frágil, diz S&P

A perspectiva negativa indica uma chance em três de um rebaixamento dos ratings nos próximos 6 a 12 meses, informa a agência. Além disso, reflete a visão da S&P de que a atual estrutura de capital da empresa é frágil, e que uma demora maior do que esperada na recuperação da rentabilidade pode trazer riscos à capacidade de refinanciamento de dívidas no longo prazo.

"Ainda, a perspectiva incorpora os riscos da indústria de varejo discricionário brasileira, como a queda da renda disponível da população, taxas de juros ainda em patamares elevados e o alto grau de competição, que podem continuar afetando os resultados do grupo e a redução da alavancagem que esperamos para 2024 e 2025", acrescentou a S&P.

Exclusivo: Casas Bahia (BHIA3) vai seguir com 'regime espartano' para se reerguer, diz CFO

Com um resultado em linha com o pessimismo do mercado sobre a companhia, a Casas Bahia (BHIA3) fechou em queda de 12% após divulgar seus números trimestrais, anotando alta de mais de quatro vezes no prejuízo do 3T23. Segundo o CFO da companhia, Elcio Mitsuhiro Ito, em entrevista exclusiva ao Suno Notícias, a gestão já esperava um desfecho ruim no 3T23.

Continua após a publicidade

O executivo reafirma que o management compreende que o curto prazo deve ser desafiador, e o foco atual será na reestruturação das Casas Bahia - divulgada ao mercado na temporada de resultados anterior.

"Queremos que o operacional da companhia tenha um tamanho que comporte os custos e despesas, sem depender que o varejo vá bombar. Talvez daqui a dois anos, podemos olhar e ver que tomamos a decisão errada ao fechar uma loja ou readequar um centro de distribuição, mas no momento atual precisamos manter essa estrutura espartana", disse o CFO.

O resultado da companhia mostra que foram 38 lojas da Casas Bahia fechadas, em linha com o que a gestão espera para este segundo semestre, que é fechar de 50 a 100 lojas.

O foco foi cortar as lojas que funcionavam com outras muito próximas e que eram deficitárias.

Além do fechamento de lojas, a companhia tomou uma série de decisões relevantes para 'limpar' seu balanço, adicionar fluxo de caixa e sanar questões urgentes.

Dentre essas, estão a monetização de créditos tributários, a estruturação de um FIDC e o rearranjo de 1P para 3P.

Continua após a publicidade

Durante a teleconferência de resultados, o CEO da Casas Bahia, Renato Franklin, destacou que as decisões "foram importantes para lidar com desafios de curto prazo" e também para a companhia manter seu fluxo de caixa estável ante o trimestre anterior.

A decisão pelo follow-on das Casas Bahia

No início de setembro, a varejista publicou um fato relevante dando início à uma emissão de ações (follow-on).

A decisão, à época, desagradou uma parte considerável do mercado e, de lá para cá as ações das Casas Bahia caíram 56%.

Elcio destaca que a decisão pela oferta 'talvez não tenha sido ideal', mas voltou a ponderar que ajudou a empresa a sustentar seu caixa para lidar com os desafios de curto prazo.

"O folow-on talvez não tenha sido o ideal, principalmente para os acionistas de referência, mas para a companhia foi bastante importante. Reforça estratégia de liquidez".

Continua após a publicidade

O CEO, da mesma forma, destacou que a decisão também foi crucial para manter o caixa estável no comparativo de base trimestral.

Além disso, os executivos seguem na expectativa de reconquista credibilidade junto ao mercado financeiro.

"Tivemos captações bilaterais de R$ 500 milhões neste trimestre. O feedback foi de que temos um plano bom, que a empresa está no caminho certo", disse o CFO da Casas Bahia.

Mitsuhiro disse que a entrada de 'dinheiro novo' de instituições financeiras foi um sinalizador de que o plano para a companhia se reerguer está sendo bem visto.

'Esse foi um jogo que a gente decidiu não querer fazer mais'

Mitsuhiro fez questão de dizer que a empresa descarta totalmente uma estratégia de crescer no e-commerce ou de torrar caixa para crescer em outras avenidas fora do core business.

Continua após a publicidade

"Tem muitos negócios que você precisa investir para começar a ganhar dinheiro, que foi o caso do Mercado Livre (MELI34), quando ele começou. Nós já somos muito grandes onde nós estamos. Temos 30 milhões de clientes ativos, não precisamos crescer mais. Precisamos agora, dada a situação de mercado da estrutura de capital, rentabilizar. Então é isso que nós estamos fazendo", explicou o CFO.

"Se você vir a estratégia de Mercado Livre, foram muitos anos queimando dinheiro para conseguir agora começar a ter uma rentabilidade. Esse foi um jogo que a gente decidiu não querer fazer mais. A gente não tem essa estrutura de capital", completou.

Por fim, o executivo destacou que a Black Friday planejada pela companhia é uma 'Black Friday racional'.

"Ninguém [no setor de varejo] está numa posição de entrar 'rasgando dinheiro' da forma que talvez fizemos no passado, e com um nível de estoque mais adequado. A gente tem bastante produto, mas a gente não precisa fazer nenhuma grande queima, porque a gente está um pouco mais racional nesse processo.

A projeção é de que os estoques das Casas Bahia também sejam calibrados para evitar o fenômeno de 'vender a qualquer preço' que ocorreu em anos anteriores.

Desempenho das ações de Casas Bahia

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora