Só para assinantesAssine UOL

Shein, Shopee e AliExpress: compras até US$ 50 voltarão a ser taxadas?

O vice-presidente e ministro do Desenvolvimento, Indústria, Comércio e Serviços (MDIC), Geraldo Alckmin, afirmou na terça-feira (28) que compras internacionais em lojas on-line como Shein, Shopee e AliExpress de até US$ 50 voltarão a ser taxadas. Atualmente, elas são isentas da cobrança do imposto de importação.

Em evento de instalação do Fórum MDIC de Comércio e Serviço (FMCS) com empresários, Alckmin tratou de pautas delicadas, como a política que zerou o Imposto de Importação para compras internacionais dentro do programa Remessa Conforme, além da desoneração da folha de pagamentos.

Segundo o ministro, a cobrança do Imposto sobre a Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), tributo estadual, nas remessas já está implementada, e que o "próximo passo" será o Imposto de Importação, sem dar detalhes de quando a cobrança retornaria.

O ministério da Fazenda admite que terá de retomar a cobrança, mas ainda discute o nível do tributo.

"Pretendemos, periodicamente, ouvir o setor de comércios e serviços, comércio eletrônico. Foi feito o trabalho nas plataformas digitais para formalização dos importados. Já começou a tributação de ICMS, e o próximo passo é o Imposto de Importação mesmo para os (importados) com menos de US$ 50?, afirmou Alckmin.

IPO da Shein? Varejista solicita abertura de capital nos Estados Unidos, diz jornal

A varejista chinesa Shein solicitou na última segunda-feira (27) a abertura de capital nos Estados Unidos de forma confidencial, segundo fontes informaram ao The Wall Street Journal. A previsão é de que ela ocorreria apenas em 2024.

Segundo a publicação, a empresa contratou bancos como Goldman Sachs (GSGI34), JP Morgan (JPMC34) e Morgan Stanley (MSBR34) para o IPO da Shein, que tem sido objeto de especulação nos últimos meses.

O The Wall Street Journal explica, ainda, que em sua última rodada privada, a Shein obteve uma avaliação de cerca de US$ 66 bilhões e poderia buscar um valor mais alto para sua incursão em Wall Street.

Continua após a publicidade

Considerada uma das maiores empresas de moda do mundo, no ano fiscal de 2022, o lucro da Shein chegou a US$ 800 milhões, registrando um faturamento de US$ 23 bilhões. O principal mercado da Shein é o Estados Unidos, seguido pela Europa.

Ainda de acordo com o The Wall Street Journal, as autoridades norte-americanas pediram para investigar a cadeia de suprimentos da Shein como condição para sua abertura de capital. De acordo com o jornal, o objetivo é descobrir se ela obtém algodão da região de Xinjiang, sancionada por Washington pelo suposto uso de trabalho forçado por uigures étnicos.

Em 2023, a Shein fechou um acordo com o grupo norte-americano SPARC, dono da Forever 21 e de outras lojas de roupas, para expandir seu alcance no mercado varejista dos Estados Unidos e on-line.

Shein está entre as maiores ocupantes em metro quadrado do varejo no Brasil

O crescimento da Shein no Brasil já não é apenas no volume de vendas. Em outubro, a varejista chinesa também conquistou um destaque territorial, com um total de 135,3 mil metros quadrados alugados em no condomínio de logística GLP Guarulhos 2, na Grande São Paulo.

Com o programa Remessa Conforme, que permite a isenção de impostos em produtos importados de até US$ 50 (aproximadamente R$ 250), a expansão da loja online se concretiza com mais intensidade.

Continua após a publicidade

Segundo o monitoramento da Binswanger Brasil, a e-commerce agora responde por mais da metade da metragem entre as 11 transações principais do segmento de varejo, após o contrato em Guarulhos.

Ao todo, sua locação em galpões logísticos de alto padrão já somam 216 m² em Guarulhos, figurando como uma das maiores ocupantes em m² no país. À frente da Shein, estão marcas a mais tempo no mercado, como o Mercado Livre (MELI34), a Amazon (AMZO34), a Magazine Luiza (MGLU3), a controladora da Americanas (AMER3) e Submarino, B2W, e o Grupo Casas Bahia (BHIA3).

Shein, Shopee e mais e-commerces estrangeiras aumentam demandas por galpões em Guarulhos

Apesar da liderança na metragem ocupada pela Shein, Shopee (30,5 mil m²), MoveMax (25 mil m²) e outros nomes do e-commerce também fecharam contratos no GLP Guarulhos, totalizando 66% do inventário locado na região.

Segundo a consultoria Newmark, em apuração do jornal Estado de S. Paulo, as novas áreas locadas, medidas em "absorção bruta", representaram 492 mil m² apenas no terceiro trimestre, um valor 34,4% maior do que em relação ao trimestre anterior.

Com a alta da demanda por espaços de logística e armazenamento dos produtos, o preço do metro quadrado registrou uma alta de 3% a R$ 24,72. O valor é uma alta de 14% sobre o terceiro trimestre de 2022.

Continua após a publicidade

Além disso, segundo a pesquisa, mais da metade das transações do terceiro trimestre deste ano foram para empresas de e-commerce como a Shein e Shopee, seguia pelas de logística e transporte, respectivamente.

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora