Só para assinantesAssine UOL

BRF (BRFS3) aprova novo programa de recompra de ações; saiba mais

A BRF (BRFS3) aprovou a criação de um novo programa de recompra de até 14 milhões de ações ordinárias, segundo fato relevante divulgado nesta quinta-feira (7).

Segundo a BRF, as ações adquiridas pela companhia "terão por objetivo o cumprimento e execução das obrigações e compromissos assumidos pela companhia no âmbito do plano de outorga de opção de compra das ações, aprovado em assembleia geral ordinária e extraordinária de 08 de abril de 2015".

O prazo máximo para aquisição de ações de emissão da BRF no âmbito do programa é de 18 meses, com início nesta sexta-feira (8) e encerrando-se em 07 de junho de 2025, "cabendo à diretoria definir as datas em que as recompras serão efetivamente executadas".

Ainda de acordo com a companhia, atuarão como intermediárias do programa de recompra da BRF a XP, Bradesco BBI e Itaú BBA.

BRF (BRFS3): prejuízo líquido chega a R$ 262 milhões no 3T23, alta de 91% em um ano

A BRF, um dos principais players do mercado de alimentos, anunciou um prejuízo líquido das operações continuadas de R$ 262 milhões no terceiro trimestre de 2023 (3T23). O resultado foi divulgado em novembro.

O prejuízo líquido da BRF no terceiro trimestre foi 91,8% maior em relação ao mesmo trimestre do ano passado (3T22), quando a companhia teve perdas de R$ 137 milhões, explicado, principalmente:

  • Pelo resultado operacional, que apesar da recuperação observada na comparação trimestral, ainda segue pressionado pelos preços das proteínas em diversos mercados, comprometendo a rentabilidade do portfólio in natura globalmente;
  • Pelas despesas financeiras líquidas em R$ 674 milhões.

Além disso, a BRF no 2T23 apresentou uma receita líquida de R$ 13,8 bilhões, o que representa uma queda de 1,8% em comparação ao mesmo período do ano anterior.

Continua após a publicidade

Ebitda ajustado da empresa ficou em R$ 1,205 bilhão, refletindo uma diminuição anual de 13%, enquanto a margem Ebitda ajustada ficou em 8,7%, ante 9,8% no 3T22.

"Este resultado foi impulsionado pela evolução da rentabilidade do portfólio de processados no Brasil, retração do custo dos produtos como reflexo da queda do preço do consumo dos grãos e pela melhoria contínua do nosso Plano de Eficiência, o BRF+", afirmou a companhia.

"Fortalecemos a nossa estrutura de capital, por meio da sequencial melhora operacional e da utilização dos recursos do follow-on que contribuíram para a redução das despesas financeiras e da alavancagem, que fechou o trimestre em 2,66x", acrescentou a BRF.

Desempenho das ações da BRF

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora