Só para assinantesAssine UOL

Neoenergia (NEOE3) pagará R$ 504 milhões em juros sobre capital próprio; veja valor por ação

O conselho de administração da Neoenergia (NEOE3) aprovou o pagamento de juros sobre capital próprio (JCP) no valor de R$ 504,8 milhões, conforme decidido em reunião realizada na segunda-feira (11).

Os novos JCP da Neoenergia se baseiam nos resultados do segundo semestre de 2023, apurados até 31 de dezembro de 2023. O valor por ação ordinária dos proventos será de R$ 0,41.

O pagamento dos juros sobre capital próprio da Neoenergia será feito em dezembro de 2024, sem atualização monetária.

A partir de 5 de janeiro de 2024, as ações da Neoenergia passarão a ser negociadas como "ex-JCP", ou seja, sem direito aos proventos. Sendo assim, a data de corte para receber os proventos é até 4 de janeiro de 2024.

Sobre o valor bruto deliberado pelo conselho de administração da empresa, será deduzido o Imposto de Renda, com exceção dos acionistas que tenham comprovado, junto ao Itaú (ITUB4), a condição de serem dispensados dessa tributação.

A Neoenergia é uma holding do grupo Iberdrola da Espanha, um dos mais relevantes grupos privados do setor elétrico do Brasil em quantidade de clientes.

JCP de Neoenergia

  • Valor bruto: R$ 504.870.000,00
  • Valor bruto por ação: R$ 0,4164934687
  • Data de corte: 4 de janeiro de 2024
  • Data de pagamento: dezembro de 2024

Neoenergia (NEOE3) lucra R$ 1,5 bilhão no 3T23, três vezes mais do que o esperado

A Neoenergia registrou um lucro líquido de R$ 1,5 bilhão no terceiro trimestre de 2023, o que representa um aumento de 3% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Continua após a publicidade

O consenso Bloomberg mirava R$ 550 milhões de lucro para o resultado da Neoenergia.

Dentre os fatores que impulsionaram esse desempenho positivo no resultado da Neoenergia, a companhia destacou a conclusão da primeira etapa da parceria com o Fundo Soberano de Cingapura (GIC), que envolveu a venda de 50% de oito ativos de transmissão, resultando na entrada de cerca de R$ 1,1 bilhão em caixa em setembro.

Além disso, a finalização da permuta de ativos com a Eletrobras (ELET3) também teve um impacto significativo no resultado do trimestre da Neoenergia. A transação gerou um impacto positivo com um ganho de R$ 1,5 bilhão decorrente da aquisição de 100% do controle da usina hidrelétrica de Dardanelos (MT). Como parte do acordo, a Neoenergia transferiu para a Eletrobras sua participação nas usinas hidrelétricas de Teles Pires (PA/MT) e Baguari (MG).

O CEO da Neoenergia, Eduardo Capelastegui, ressaltou que a empresa manteve uma disciplina de custos rigorosa, apresentando um crescimento das despesas operacionais de apenas 4% no trimestre, abaixo da inflação.

A Neoenergia também reportou um lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização (Ebitda) ajustado de R$ 2,6 bilhões no terceiro trimestre, o que representa um aumento de 4% em relação ao mesmo período do ano anterior.

No que diz respeito ao volume de energia, a empresa registrou um total de quase 20 mil gigawatts-hora (GWh) injetados no terceiro trimestre, um aumento de 4,7% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Continua após a publicidade

A Neoenergia encerrou o terceiro trimestre com a adição de 317 mil novos consumidores, atingindo um total de 16,3 milhões de clientes ativos, o que reforça sua posição como a maior empresa no Brasil em número de clientes na distribuição de energia.

Em termos de investimentos, a empresa executou um Capex de R$ 2,2 bilhões no trimestre, refletindo seu compromisso contínuo com o fortalecimento e expansão de suas operações no setor de energia.

Desempenho das ações da Neoenergia

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora