Só para assinantesAssine UOL

Americanas (AMER3): acordo tira BV da lista de acionistas, diz coluna; entenda

A base acionária da Americanas (AMER3), em recuperação judicial, não terá todos os bancos credores após a capitalização de R$ 24 bilhões que a varejista deve receber. Segundo coluna do Estadão/Broadcast, o BV (ex-Votorantim), está fora da lista.

De acordo com a publicação, o BV não precisará converter dívidas em ações, porque terá reconhecida pela rede uma compensação de créditos que realizou em janeiro do ano passado, entre a divulgação do rombo contábil - que levou a empresa à recuperação judicial - e a tutela de emergência, anterior ao processo, que evitou execuções de dívida.

O BTG Pactual (BPAC11) e o Bradesco (BBDC4) terão o montante de créditos reduzido pelo mesmo motivo, pontuou o Broadcast.

Ainda de acordo com a coluna, o BTG fez compensações de R$ 1,2 bilhão e o BV, de cerca de R$ 206 milhões, valor total que tinha a receber da rede.

Assim, conforme fontes, o BV é o único, entre os credores, que compensou todo o crédito. Ou seja, a Americanas não deve mais nada ao BV, e ao BTG, deve R$ 1,2 bilhão a menos do que informou ao mercado na recuperação judicial.

Vale reforçar que a Americanas informou o rombo ao mercado em 11 de janeiro, e obteve a tutela no dia 13 - entre as duas datas, o BTG, BV e outros bancos decretaram o vencimento antecipado de dívidas da companhia, com base no rombo de R$ 20 bilhões, que, após as apurações da rede, subiria para mais de R$ 25 bilhões.

O Broadcast lembra que para quitar os créditos, as instituições recorreram a depósitos que a Americanas tinha em cada uma delas. Ela foi à Justiça, após obter a tutela, para retomar os recursos, alegando que as execuções antecipadas fizeram o caixa minguar.

Segundo o plano de recuperação judicial da Americanas aprovado em dezembro, todas as compensações serão reconhecidas no caso de credores que aderirem ao compromisso de não acionar a empresa judicialmente. Além disso, diz o Broadcast, para cada R$ 1 compensado, os bancos terão de fornecer R$ 1 em linhas de crédito para que a Americanas antecipe recebíveis de cartão ou contrate créditos de fiança.

Americanas (AMER3) cortou quase mil funcionários na última semana do ano, diz relatório

A Americanas encerrou 950 contratos de trabalho na semana de 25 de dezembro a 31 de dezembro de 2023, segundo relatório anexado à Comissão de Valores Mobiliários (CVM) na semana passada. Os postos eram temporários e referentes ao período de Natal.

Continua após a publicidade

No intervalo, a Americanas registrou 180 pedidos de saída, 40 términos de contrato de experiência e 18 desligamentos involuntários. Em contrapartida, a varejista informou que houve um total de 15 admissões.

Ainda de acordo com a data base do relatório, a empresa contava com 32.486 colaboradores sob o regime CLT.

Em 31 de dezembro, a Americanas informou que o total de lojas era de 1.754, correspondendo a 93,2% do período anterior ao deferimento da recuperação judicial. Durante a última semana do ano, a companhia encerrou quatro lojas.

Entre os dias 25 e 31 de dezembro de 2023, segundo o relatório, a Americanas realizou R$ 311 milhões em pagamentos e teve um total de R$ 429 milhões em recebimentos.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora