Só para assinantesAssine UOL

Gol (GOLL4) cogita pedir recuperação judicial nos EUA, diz coluna

A Gol (GOLL4) está cogitando pedir recuperação judicial nos Estados Unidos em, no máximo, um mês, segundo informações da coluna Painel S.A, do jornal Folha de S. Paulo.

Segundo a publicação, pessoas que participam das conversas afirmam que aderir ao Capítulo 11 da lei norte-americana de falências é mais vantajoso do que pedir recuperação judicial no Brasil, acrescentando que lá, as regras são previsíveis.

Além disso, abririam-se, por exemplo, mais possibilidades de financiamento no exterior.

Mesmo assim, diz a coluna, os arrendadores consideram haver risco porque, diferentemente da Latam, a Gol possui uma presença menor nos EUA. O processo poderia ser recusado, o que levaria a companhia a gastar mais tempo e dinheiro para, ao fim, terminar abrindo um processo no Brasil.

A Folha de S. Paulo pontua, ainda, que vários consultores e advogados foram contratados. A Abra, holding que é fruto da junção com a colombiana Avianca e que controla a Gol, contratou o escritório Pinheiro Guimarães Advogados.

Já a Gol conta com a assessoria de Milbank, Lefosse e TWK, além da Seabury Capital, contratada no fim do ano passado.

Caso seja confirmada a recuperação judicial da Gol nos EUA, a companhia aérea seguirá o mesmo caminho da Latam, que em maio de 2020, foi ao Tribunal de Falências de Nova York (EUA). Em 2022, concluiu seu processo de reestruturação.

Gol (GOLL4): oferta total de voos cai 8,1% em dezembro; demanda registra queda de 2,5%

oferta total de voos (ASK) da Gol caiu 8,1% em dezembro na comparação com o mesmo período de 2022, enquanto a demanda total (RPK) teve baixa de 2,5%, segundo a prévia operacional divulgada ao mercado no início do mês.

Continua após a publicidade

No mês passado, a taxa de ocupação total alcançou 82,7%, uma alta de 4,8 ponto percentual (pp) na base anual. O número total de assentos, por sua vez, caiu 8,6% em dezembro ante o mesmo mês de 2022, enquanto o de decolagens caiu 10%.

Mercado doméstico total da Gol (GOLL4)

A oferta de voos domésticos da Gol teve queda de 8,6%, assim como a demanda, que caiu 4,6% em dezembro na comparação anual. Já a taxa de ocupação atingiu 82,1% no mês passado, volume 3,4 pp maior na mesma base de comparação. No período, as decolagens da Gol caíram 10% e o total de assentos, caiu 8,6%, ambos na base anual.

No mercado internacional, a oferta de voos da Gol caiu 3,8% em dezembro ante o mesmo intervalo do ano anterior, enquanto a demanda subiu 17% na mesma base de comparação de 2022. Em dezembro, a taxa de ocupação foi de 86,8%, uma elevação de 15,4 pp na base anual. Já as decolagens e o total de assentos tiveram baixa de 9,4% e 9,1% ante igual período de 2022, respectivamente.

Quarto trimestre: oferta e demanda caem

O último trimestre de 2023 da Gol se mostrou mais favorável do que o mês de dezembro. No 4T23, a oferta total da empresa caiu 5,7% e a demanda teve queda de 1,1%, ambos na base de comparação com o mesmo período de 2022. Ainda na base anual, a taxa de ocupação da Gol foi de 84% no trimestre, uma alta de 3,9 pp. No trimestre, as decolagens e o total de assentos tiveram retração de 4,8% e 3,7%, nesta ordem, ante o mesmo intervalo do ano anterior.  

Continua após a publicidade

Desempenho das ações de Gol

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora