Só para assinantesAssine UOL

Tenda (TEND3): vendas líquidas ultrapassam R$ 787 milhões no 4T23, segundo prévia

Segundo prévia operacional divulgada nesta segunda-feira (15), a Tenda (TEND3) atingiu vendas líquidas de R$ 787,5 milhões no quarto trimestre de 2023, aumento de 19,9% em relação ao mesmo período do ano anterior.

No 4T23, o Valor Geral de Vendas (VGV) da Tenda chegou a R$ 992,2 milhões, aumento de 40,9% em relação ao 4T22, quando havia registrado R$ 704,2 milhões. No quarto trimestre do ano passado, a Tenda lançou 13 empreendimentos.

No 4T23, as vendas brutas da Tenda totalizaram R$ 903,5 milhões, aumento de 20,1% em relação aos R$ 752,3 milhões reportados no 4T22. Do total de vendas no 4T23, R$ 45,3 milhões são referentes ao projeto Estação Tolstoi, que foi contemplado no programa habitacional Pode Entrar.

Já a Velocidade sobre a Oferta Líquida (VSO) da Tenda foi de de 26,9% no quarto trimestre do ano passado, aumento de 1,4 ponto percentual (p.p) em relação ao mesmo período do ano anterior.

A Tenda finalizou o 4T23 com R$ 16,3 bilhões em VGV no seu banco de terrenos, aumento de 8,3% em relação ao mesmo período do ano anterior.

O balanço do 4T23 da Tenda será divulgado no dia 14 de março de 2024.

Tenda no 4T23: vendas líquidas da divisão Alea chegam a R$ 55,4 milhões

Em relação a Alea, divisão de casas pré-fabricadas da Tenda, foram lançados 8 empreendimentos no 4T23, com VGV de R$ 157,0 milhões.

Já as vendas brutas da Alea no trimestre totalizaram R$ 65,6 milhões, número 244% superior ao mesmo período do ano anterior, com preço médio por unidade de R$ 181,7 mil.

Continua após a publicidade

As vendas líquidas da Alea foram de R$ 55,4 milhões no 4T23, com VSO líquida de 18,4%, redução de 13,2 p.p em relação ao quarto trimestre de 2022.

Ainda em relação a Alea, o VGV no seu banco de terrenos foi de R$ 3,1 bilhões, aumento de 144,1% comparado ao mesmo período do ano anterior, o que representa um total de 15,9% do VGV consolidado.

Tenda (TEND3): recuperação de rentabilidade está mais lenta do que esperado, diz BTG

Em relatório divulgado no início da semana passada, analistas do BTG Pactual (BPAC11) repercutiram as projeções da Tenda e Alea, divisão de casas pré-fabricadas da companhia, pontuando que a recuperação da rentabilidade da empresa está em curso, embora de uma forma mais lenta do que o esperado.

"Estávamos muito otimistas quanto à recuperação da rentabilidade da Tenda para 2024 (principalmente Alea). No entanto, nos baseamos na previsão otimista para 2025 - por isso mantemos nossa postura positiva em relação às ações da Tenda e reiteramos nossa classificação de compra", pontuaram os analistas Gustavo Cambaúva e Elvis Credêndio. O BTG tem preço-alvo para as ações a R$ 20,00.

Para a Tenda, segundo comunicado divulgado na segunda (8), a previsão de vendas líquidas fica entre R$ 3,2 bilhões e R$ 3,5 bilhões. Para a Alea, a estimativa é de R$ 400 milhões a R$ 500 milhões. No caso da margem bruta ajustada, a projeção prevê entre 29% e 31% para a companhia, enquanto para a Alea, divisão de casas pré-fabricadas da Tenda, a expectativa fica entre 9% e 11%.

Continua após a publicidade

Para o Ebtida da Tenda (Lucros antes de juros, impostos, depreciação e amortização) ajustado, a projeção vai de R$ 375 milhões a R$ 425 milhões. A Alea, por sua vez, que ainda está ajustando o negócio, a expectativa é de um Ebitda ajustado negativo entre R$ 50 milhões e R$ 30 milhões para 2024.

XP: Tenda está no caminho da recuperação de rentabilidade

Também em relatório, analistas da XP (XPBR31) afirmaram que a orientação da Tenda para 2024 é um sinal positivo de que o negócio principal da empresa está no caminho certo com seu processo de recuperação de rentabilidade.

"Embora o guidance de margem bruta ajustada não pareça uma grande surpresa, vemos os níveis de margem propostos como saudáveis, o que reforça a eficiência da Tenda em aproveitar as atualizações do Minha Casa Minha Vida (MCMV) para escalar rapidamente a lucratividade de suas operações", disseram os analistas Ygor Altero e Ruan Argenton.

Entretanto, do lado negativo, a XP ainda não espera ver grandes ganhos de lucratividade da Alea. "Mesmo que o guidance de vendas líquidas pareça indicar uma continuação do ganho de relevância da Alea nas operações da Tenda, acreditamos que os níveis de margem bruta suaves da Alea e o EBITDA ainda sob pressão devem continuar a prejudicar os resultados da Tenda no curto prazo", afirma.

A XP manteve sua recomendação 'neutra' e preço-alvo a R$ 11,00.

Continua após a publicidade

Ações da Tenda passam a integrar o IBrX-100

Em outro comunicado divulgado na segunda-feira (8), a companhia informou que suas ações ordinárias passaram a integrar o Índice Brasil 100 da B3, conhecido como IBrX 100. O índice tem como objetivo avaliar o desempenho e a valorização das companhias listadas, medindo o comportamento das ações mais representativas.

"A presença no IBrX-100 aumenta a visibilidade da companhia e possibilita a procura de um maior número de fundos de investimentos pela ação TEND3", ressalta a Tenda. "A entrada no IBrX 100 é uma conquista importante para a companhia e seus acionistas", acrescenta.

Desempenho das ações de Tenda

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora