Só para assinantesAssine UOL

Casas Bahia (BHIA3) avalia emissão de R$ 1 bilhão com apoio de bancos, diz jornal

A Casas Bahia (BHIA3) estuda fazer uma emissão de debêntures para estender o prazo de uma captação de R$ 1 bilhão feita em 2021 e que vence em abril, segundo apuração do Broadcast/Estadão.

De acordo com a publicação, a operação seria lançada com ancoragem dos bancos que são os maiores credores da companhia - Bradesco (BBDC4) e Banco do Brasil (BBAS3) -, para sinalizar ao mercado confiança na reestruturação da Casas Bahia.

Além disso, diz o Broadcast, se houver apetite dos investidores, a distribuição poderia ir além da fatia garantida, o que ajudaria a reforçar o caixa da varejista.

Ainda segundo fontes informaram ao jornal, diante das várias alternativas discutidas no momento entre a companhia e os bancos, este é o "plano A" por ora. O objetivo é alongar o prazo das dívidas da Casas Bahia e, ao mesmo tempo, não comprometer a liquidez.

Vale lembrar que no ano passado, a Casas Bahia realizou uma oferta de ações que levantou R$ 622 milhões, menos do que se esperava, com um desconto alto sobre o preço de tela das ações. A empresa também transferiu o financiamento do crediário dos clientes para fundos de investimento em direitos creditórios (FIDCs) - um deles foi lançado no final de 2023, da ordem de R$ 600 milhões. Em 2022, a varejista já havia recebido R$ 1,75 bilhão para renovar a parceria com o Bradesco em cartões co-branded, uma antecipação de parte das comissões.

Segundo fontes informaram ao Broadcast, a empresa está fazendo reuniões com investidores no exterior - incluindo em Nova York - para discutir a reestruturação que fez, e também para testar o interesse em uma eventual emissão, o chamado "non deal roadshow".

Casas Bahia (BHIA3) é "investimento desafiador": Citi atualiza projeções para a varejista

Em seu relatório mais recente, analistas do Citi atualizaram seu modelo de projeções dos resultados do quarto trimestre de 2023 da Casas Bahia, incorporando as premissas operacionais mais recentes e as estimativas macro do banco. Na opinião da casa, a varejista continua a ser um caso de investimento desafiador.

"Após seu recente aumento de capital de R$ 622 milhões, a Casas Bahia ainda não está fora de perigo, com despesas financeiras líquidas de R$ 2,0 bilhões (excluindo leasing) ainda excedendo o Ebitda [lucro antes de juros, impostos, depreciações e amortizações, na sigla em inglês] pré-IFRS de R$ 1,3 bilhão projetado para 2024", apontam os analistas.

Continua após a publicidade

Ainda de acordo com o Citi, o plano de reestruturação em andamento liderado pelo CEO da companhia, Renato Franklin, será fundamental para melhorar a estrutura de capital, uma vez que a procura por produtos eletrônicos/linha branca permanece fraca.

"Priorizar o balanço da Casas Bahia versus o crescimento enquanto procura alternativas de financiamento para o seu negócio de crédito parece ser a melhor estratégia nesta fase", aponta o Citi, que estima uma melhora gradual na rentabilidade.

"Os consideráveis ??créditos fiscais (R$ 6,3 bilhões) também deverão proporcionar alguma reserva de caixa, pelo menos suficiente para compensar suas contingências trabalhistas", completa o banco.

O Citi manteve recomendação neutra para as ações da empresa, com preço-alvo a R$ 10.

Casas Bahia (BHIA3): BlackRock compra ações da varejista

A BlackRock, uma das maiores gestoras do mundo, atingiu a participação conjunta de 5,133% do total de ações ordinárias da Casas Bahia, de acordo com comunicado enviado ao mercado na semana passada.

Continua após a publicidade

De forma agregada, as participações societárias detidas pela BlackRock passaram a ser de 4,881 milhões de contratos e diferença, conhecido no mercado pela sigla CFDs, além de 3,945 milhões de papéis ordinários, representando aproximadamente 4,149%.

Apesar de alcançar mais de 5% defatia na varejista, o movimento da gestora tem o objetivo meramente de investimento, não tendo como fim a alteração no controle ou na estrutura administrativa da companhia.

Desempenho das ações de Casas Bahia

No fechamento de terça-feira (30), as ações ordinárias de Casas Bahia caíram 8,32%, a R$ 7,60. No ano, os papéis cedem 31,53%, segundo dados do Status Invest.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora