Só para assinantesAssine UOL

Vale (VALE3): conselho pode adiar decisão sobre novo presidente, diz jornal

Após desgaste público provocado pela tentativa do presidente Lula emplacar o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega na presidência da Vale (VALE3), representantes dos acionistas da mineradora avaliam adiar a decisão sobre sucessão na empresa para ganhar tempo, segundo o jornal O Estado de S. Paulo.

Está marcada para esta sexta (02) uma reunião extraordinária do conselho de administração para avaliar e decidir se oatual presidente da Vale, Eduardo Bartolomeu, ficará ou não no cargo.

Segundo dois conselheiros ouvidos pelo Estadão, no entanto, a expectativa é de que não haja uma decisão final, o que pode estender o debate sobre a sucessão na empresa até maio, quando se encerra o mandato de Bartolomeu.

Ainda de acordo com o jornal, para alguns acionistas, há a preocupação de não transformar a troca de comando na empresa em uma derrota para Lula ou para o governo. Aliados do Presidente da República não desistiram de tentar influenciar na sucessão, sendo que para eles, o desfecho ideal desta sexta-feira seria o conselho não renovar o mandato de Bartolomeo e sinalizar a busca por um novo nome.

O Estadão afirma que, entre os sócios, Bartolomeu sofre a resistência da Previ, fundo de pensão dos funcionários do Banco do Brasil (BBAS3), que já teria demonstrado nos bastidores o interesse em trocar o executivo. Para eles, o desempenho da Vale diante das concorrentes tem deixado a desejar.

Neste contexto, o nome de Luiz Henrique Guimarães - ex-presidente da Cosan (CSAN3) e hoje conselheiro da Vale, voltou a ganhar relevância na disputa, mas ainda esbarra na aceitação dos sócios.

Assim, uma das opções é propor um mandato mais curto para Bartolomeu - de um ano em vez de três - ou incluir o executivo no processo sucessório como parte de uma lista tríplice, cuja escolha ocorreria mais adiante - diz o jornal.

Vale (VALE3) segue como favorita do BTG para dividendos; entenda

Em novo relatório sobre sua carteira mensal de dividendos, analistas do BTG Pactual mantiveram a Vale como a companhia de maior peso no portfólio.

Continua após a publicidade

Juntamente com as ações da Vale, os especialistas mantiveram também os papéis da Petrobras (PETR4) com igual peso na carteira - de 15%.

A tese é de que VALE3 terá um ambiente operacional melhor em 2024, com os mercados de minério de ferro caminhando para mais um ano de déficits e contínuas revisões positivas de lucros.

"Agora estamos mais confiantes de que a performance operacional mais fraca da empresa ficou para trás e que a produção/vendas e o desempenho de custos devem continuar a melhorar. Acreditamos que há muito pouco precificado nas ações neste momento", diz o BTG.

"Espera-se que a produção chinesa de aço bruto permaneça acima de 1 bilhão de toneladas, já que a demanda por infraestrutura/manufatura + exportações devem compensar um mercado imobiliário ainda fraco. Estimamos outro déficit no mercado este ano, provavelmente sustentando os preços em níveis elevados - atualmente na faixa de US$130-140 por tonelada", completa.

Os analistas modelam os preços do minério de ferro em uma média de US$ 120 por tonelada para o ano, que ainda está acima do mercado, e esperam ver mais revisões positivas nos próximos meses.

"Nesses níveis, vemos a Vale negociando abaixo de 4x EV/EBITDA 24, e esperamos yields de de aproximadamente 13%, incluindo recompras de ações, o que consideramos atrativo".

Continua após a publicidade

Por fim, em seu relatório sobre a carteira de dividendos, a casa destaca que a Vale tem o melhor momento de resultados dentro da cobertura de Metais & Mineração da casa.

Conforme os dados do Status Invest, os dividendos da Vale atualmente representam um dividend yield (DY) de 9%, dado que foram pagos R$ 6,07 por ação no acumulado dos últimos 12 meses.

Desempenho das ações de Vale

No fechamento de quinta-feira (1), as ações de Vale encerram o dia em queda de 0,46%, a R$ 67,45. No ano, os papéis caem 12%, segundo o Status Invest.

*Com informações de Estadão Conteúdo

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora