Só para assinantesAssine UOL

Warren Buffett aumenta aposta em petróleo e tem mais de US$ 14 bi em ações de petrolífera

A Berkshire Hathaway, holding do bilionário Warren Buffett, aumentou suas participações em ações da Occidental Petroleum (OXYP34) nos primeiros dias de fevereiro, mesmo com o mercado americano apostando forte na Nvidia (NVDC34), e os relatórios de lucros das grandes empresas de petróleo, como Exxon Mobil (EXXO34) e Chevron (CHVX34), recebendo pouca atenção.

Buffett gastou cerca de US$ 245,7 milhões em mais de 4,3 milhões de ações da OXY entre 1 e 5 de fevereiro, com uma faixa de preço de US$ 56,75 a  US$ 57,98. A Occidental Petroleum reportará os lucros do quarto trimestre em 14 de fevereiro.

A Berkshire detém cerca de 248 milhões de ações ordinárias da Occidental, avaliadas em cerca de U$14 bilhões. Em dezembro, Warren Buffett gastou US$ 588,7 milhões em mais de 10 milhões de ações da OXY, com uma faixa de preço de 55,58 a um pouco mais de 57, nos dias seguintes à aquisição deu uma bacia petrolífera pela empresa de energia em US$ 12 bilhões.

Na semana passada, os resultados trimestrais da Exxon Mobil e Chevron foram acima do esperado. A Chevron elevou seu dividendo trimestral em 8% após recomprar 5% de suas ações no ano passado. O valor das ações aumentou 3,7% nos últimos 30 dias. Warren Buffett detém uma participação de quase 5,9% na empresa.

A Occidental Petroleum ocupa a sexta posição no portfólio da Berkshire, logo após Apple (AAPL34),Bank of America (BOAC34), American Express (AXPB34), Coca-Cola (COCA34) e Chevron (CHVX34), devido a várias aquisições de ações realizadas em 2023.

Warren Buffett tem 'ação secreta' na carteira; entenda

O megainvestidor Warren Buffett, da Berkshire Hathaway (BERK34), tem uma de suas posições acionárias ainda oculta do mercado.

A decisão de manter a ação confidencial, contudo, está prevista dentro do regramento atual da Securities and Exchange Comission (SEC), autoridade que regula o mercado financeiro nos EUA. A informação de que a posição da carteira de Warren Buffett deve se manter sob sigilo consta do último relatório 13F.

A decisão de mantê-la fora dos holofotes ocorre enquanto o investidor ainda está em processo de aquisição dos papéis.

Continua após a publicidade

No lado das posições divulgadas, o relatório 13F mostra que Warren Buffett vendeu suas ações remanescentes na General Motors (GMCO34), P&G (PGCO34), Mondelez (MDLZ34) e outros papéis que tinham pouca representatividade no portfólio total.

Veja as dez maiores posições da carteira de Warren Buffett

  • Apple (AAPL34): 50% (US$ 156 bilhões)
  • Bank of America (BOAC34): 8,5% (US$ 28,2 bilhões)
  • American Express (AXPB34): 7,2% (US$ 22,6 bilhões)
  • Coca-Cola (COCA34): 7% (US$ 23 bilhões)
  • Chevron (CHVX34): 6% (US$ 18,5 bilhões)
  • Occidental Petroleum (OXYP34): 4,6% (US$ 14,3 bilhões)
  • Kraft Heinz (KHCB34): 3,5% (US$ 10,9 bilhões)
  • Moody's (MCOR34): 2,5% (US$ 7,8 bilhões)
  • Davita (DVAI34): 1% (US$ 3,4 bilhões)
  • HP (HPQB34): 0,84% (US$ 2,6 bilhões

Além dessas posições, Warren Buffett tem mais de outras 20 empresas na carteira - incluindo posições de menos de 1%, como o Nubank (ROXO34), no qual ele detém US$ 776 milhões investidos.

Este material foi elaborado exclusivamente pelo Suno Notícias (sem nenhuma participação do Grupo UOL) e tem como objetivo fornecer informações que possam auxiliar o investidor a tomar decisão de investimento, não constituindo nenhum tipo de oferta de valor mobiliário ou promessa de retorno financeiro e/ou isenção de risco. Os valores mobiliários discutidos neste material podem não ser adequados para todos os perfis de investidores que, antes de qualquer decisão, deverão realizar o processo de suitability para a identificação dos produtos adequados ao seu perfil de risco. Os investidores que desejem adquirir ou negociar os valores mobiliários cobertos por este material devem obter informações pertinentes para formar a sua própria decisão de investimento. A rentabilidade de produtos financeiros pode apresentar variações e seu preço pode aumentar ou diminuir, podendo resultar em significativas perdas patrimoniais. Os desempenhos anteriores não são indicativos de resultados futuros.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora