Bolsas

Câmbio

Bruxelas autoriza com condições megafusão das químicas Dow e DuPont

Bruxelas, 27 Mar 2017 (AFP) - A Comissão Europeia autorizou nesta segunda-feira a fusão entre os grupos químicos americanos Dow e DuPont, cujo valor na Bolsa chegaria a 130 bilhões de dólares, com a condição de que este último ceda uma parte de sua atividade mundial no setor de pesticidas.

"A fusão de Dow e DuPont pôde ser aprovada por [seus] compromissos significativos sobre produtos e a organização mundial de investigação e desenvolvimento", afirmou a entrevista coletiva a comissária europeia de Concorrência, Margrethe Vestager.

O executivo comunitário demonstrou preocupação pelo impacto dessa operação no bolso dos agricultores, diante de uma eventual redução da oferta, e na concorrência de um setor em plena concentração

A fusão de Dow e DuPont, anunciada por ambos os grupos em dezembro de 2015 e comunicada a Bruxelas em junho passado, resultaria em um gigante, cujo valor na Bolsa atingiria 130 bilhões de dólares.

Isso geraria ainda uma economia de 3 bilhões de dólares, em um contexto de queda dos preços das matérias-primas que nos últimos anos afetou os dois grupos.

Após o anúncio, os grupos americanos celebraram em um comunicado conjunto esta "importante etapa", que mantém "a lógica estratégica e o potencial de criação de valor da transação", assim como a concorrência no mercado.

- O pão de cada dia -Para despejar as dúvidas da Comissão, ambas as partes se comprometeram a ceder "uma parte importante da atividade mundial da DuPont no setor dos pesticidas", incluindo "sua estrutura mundial de I+D", indicou Bruxelas em um comunicado.

Dow cederá também ativos de sua atividad petroquímica, onde ambos os grupos são "atores importantes", incluindo duas fábricas na Espanha e nos Estados Unidos.

Caso a operação -que ainda precisa do aval dos reguladores de Estados Unidos e China- se concretize, a nova entidade Dow-DuPont se tornará a número dois mundial de sementes e a terceira maior fabricante de produtos fitossanitários.

A Dow-DuPont se dividirá em uma segunda etapa em uma empresa dedicada à agricultura, outra centrada na ciência dos materiais e uma terceira na química.

Os produtos desenvolvidos pela Dow e pela DuPont "afetam a cada um de nós". "Literalmente, incidem no nosso pão de cada dia", alertou Vestager.

- Ordem de chegada -O aval com condições de Bruxelas chega enquanto o setor agroquímico se encontra em meio a uma série de mudanças: o gigante chinês ChemChina busca adquirir a suíça Syngenta por 43 bilhões de dólares, enquanto a alemã Bayer oferece 66 bilhões de dólares pela americana Monsanto.

A Comissão, que deve pronunciar-se sobre a primeira dessas aquisições antes de 12 de abril, ressaltou que aplica o princípio de "ordem de chegada", motivo pelo qual a fusão entre Dow e DuPont "foi examinada atendendo a situação que prevalece atualmente no mercado".

Para Vestager, essas operações são "muito diferentes", embora afetem "o mesmo setor", e ressaltado que cada caso será analisado considerando a atual situação.

Embora a oferta da Bayer pela Monsanto ainda não tenha sido comunicada à Comissão, várias ONGs, como o Greenpeace, alertam para o impacto dessas operações.

Estas concentrações "exacerbariam os problemas causados pela agricultura industrial, com consequências negativas para o público, os agricultores e os trabalhadores agrícolas, consumidores, meio-ambiente e segurança alimentar", alertou em uma carta aberta a comissária europeia.

bur-tjc/age/cc

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos