PUBLICIDADE
IPCA
1,25 Out.2021
Topo

Boeing desiste de compra da divisão comercial da Embraer

25/04/2020 13h49

Nova York, 25 Abr 2020 (AFP) - A construtora aeronáutica americana Boeing anunciou, neste sábado (25), que rescindiu um acordo de US$ 4,2 bilhões para adquirir a divisão de aviões comerciais da sua rival brasileira Embraer.

Na parte da tarde, a Embraer acusou a americana de "rescindir indevidamente" o contrato, usando "falsas alegações" para evitar cumprir seus compromissos.

"A Embraer acredita firmemente que a Boeing rescindiu indevidamente o Acordo Global da Operação (MTA) e fabricou falsas alegações como pretexto para tentar evitar seus compromissos de fechar a transação e pagar à Embraer o preço de compra de U$ 4,2 bilhões", disse a brasileira em comunicado.

A companhia americana atravessa uma crise pela emergência da pandemia de coronavírus e problemas com seu modelo 737 MAX.

Um memorando de entendimento, assinado pelas duas companhias em julho de 2018, estipulava a formação de uma joint venture na qual a Boeing teria 80% da participação na divisão comercial da Embraer. Os 20% restantes permaneceriam sob controle da brasileira.

Uma segunda empresa mista se encarregaria da comercialização do avião militar C-390 do grupo brasileiro.

O acordo deveria ser finalizado até sexta-feira, 24 de abril.

Mas a Boeing explicou neste sábado que exerceu seu direito de desistir do contrato por a Embraer "não atender às condições necessárias", segundo comunicado de imprensa.

"A Boeing trabalhou diligentemente nos últimos dois anos para concluir a transação com a Embraer. Há vários meses temos mantido negociações produtivas a respeito de condições do contrato que não foram atendidas, mas em última instância, essas negociações não foram bem-sucedidas", justificou Marc Allen, responsável da Boeing para esta parceria com a Embraer.

"O objetivo de todos nós era resolver as pendências até a data de rescisão inicial, o que não aconteceu", disse.

As duas empresas poderiam prolongar as negociações, mas finalmente desistiram de continuar a operação.

Vão manter, porém, o contrato vigente relativo à comercialização e manutenção conjunta da aeronave militar C-390 Millenium, assinado em 2012 e ampliado em 2016.

O plano de fusão da Boeing e Embraer foi anunciado alguns dias após a entrada em vigor da parceria entre a Airbus e a canadense Bombardier, que permitiu aos europeus assumir o controle do programa Cseries.

Com a aquisição da Embraer, a Boeing competiria com sua rival europeia no segmento de aeronaves regionais.

Ao mesmo tempo, permitiria à Embraer se beneficiar da força comercial da Boeing.

O projeto de aquisição recebeu a autorização de todas as autoridades envolvidas, exceto a da Comissão Europeia, que temia que a operação deixasse o terceiro principal participante de um mercado já altamente concentrado fora de competição e abriu uma investigação a esse respeito.

Embora a Boeing não tenha especificado os motivos de sua desistência, a decisão chega em um momento difícil para a companhia aérea.

A pandemia de COVID-19 afetou enormemente as viagens aéreas e as companhias estão cancelando ou atrasando a compra de aeronaves.

O grupo também foi forçado a suspender temporariamente as atividades em suas fábricas nos Estados Unidos por causa das medidas de contenção destinadas a combater a propagação do coronavírus.

Além disso, a Boeing é afetada pelos problemas com seu modelo 737 MAX, proibido de voar há mais de um ano após dois acidentes que mataram 346 pessoas. Ainda não há data prevista para a retomada das operações dessas aeronaves.

O valor da empresa na Bolsa de Nova York caiu 61% desde o início deste ano. O grupo pediu cerca de US$ 60 bilhões do governo federal para atender às suas necessidades e às de seus 17.000 subcontratados no país.

A Embraer também está em uma situação difícil.

Em março, a brasileira registrou perdas significativas no quarto trimestre de 2019 e se recusou a anunciar metas para 2020 devido à incerteza prevalecente no mercado de aviação devido à pandemia.

Desde janeiro, o valor de suas ações na Bolsa de Valores de São Paulo caiu 60%.

jum/dw/bbk/mr

BOEING

EMBRAER

PUBLICIDADE