PUBLICIDADE
IPCA
1,35% Dez.2020
Topo

Pecuaristas e ONGs temem guinada da França sobre acordo UE-Mercosul

Arquivo - Em 2019, Macron acusou Bolsonaro "de não respeitar seus compromissos climáticos" e afirmou que a França "se opunha ao acordo do Mercosul no Estado atual" - Jacques Witt/Pool/AFP
Arquivo - Em 2019, Macron acusou Bolsonaro "de não respeitar seus compromissos climáticos" e afirmou que a França "se opunha ao acordo do Mercosul no Estado atual" Imagem: Jacques Witt/Pool/AFP

Em Paris

01/02/2021 08h18Atualizada em 02/02/2021 09h59

Ambientalistas e organizações de pecuaristas acusam o governo francês de tentar "salvar o acordo" de liberalização comercial entre UE (União Europeia) e Mercosul, apesar de se opor a ele.

Em um documento de trabalho publicado pelo jornal digital francês Mediapart, o governo dá "pistas" de que está considerando "responder as preocupações levantadas pelo projeto de acordo UE-Mercosul".

O texto lista os compromissos que solicitaria a Argentina, Brasil, Paraguai e Uruguai em relação aos dois principais pontos de atrito (desmatamento e normas sanitárias sobre o gado importado) em troca da suspensão do veto francês.

Nesta quinta-feira (4), em Paris, está prevista uma videoconferência do comitê de acompanhamento da política comercial com o ministro responsável pelo Comércio Exterior, Franck Riester, para abordar o assunto.

A Fundação Nicolas Hulot considera as condições exigidas no documento "puramente declarativas e não vinculantes".

"As exigências adicionais, além de serem insuficientes em segundo plano, se esquecem dos temas importantes colocados por este acordo: direitos humanos e respeito às convenções internacionais, impacto nas economias locais e desestabilização dos mercados agrícolas", afirma Maxime Combes, economista do coletivo Stop CETA/Mercosul.

Segundo ele, a França "está negociando sua adesão" ao acordo, e o "não" francês expresso em agosto de 2019 pelo presidente Emmanuel Macron é um "não" de fachada.

Reação do setor agropecuário

Os pecuaristas também reagiram.

"O governo nos transmitiu, antes da reunião de quinta-feira, a lista de condições para a ratificação, por parte da França, do acordo UE-Mercosul, apesar de ter expressado publicamente sua oposição a este acordo 'em seu estado atual'", lamentou Bruno Dufayet, presidente da Federação Nacional Bovina, que reúne a maior parte dos 80 mil pecuaristas considerados ameaçados pelo acordo comercial.

"Para os pecuaristas franceses, que são os principais produtores de carne bovina da Europa graças a um modelo de pecuária leiteira no pasto, e que já têm receitas muito baixas, este acordo é uma catástrofe, porque aceita a importação para a Europa de 99 mil toneladas de carne bovina do Mercosul a 7,5% de tarifa alfandegária, com normas de produção sanitária proibidas na Europa", acrescentou Dufayet.

Em 23 de agosto de 2019, Macron denunciou "um processo de desmatamento industrializado" na selva amazônica, acusou o presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, "de não respeitar seus compromissos climáticos" e afirmou que a França "se opunha ao acordo do Mercosul no Estado atual".

Segundo os pecuaristas franceses, as fazendas brasileiras usam hormônios para promover o crescimento, uma prática proibida na Europa.