Petróleo cai após surpreendente alta de reservas nos EUA

Os preços do petróleo caíram nesta quarta-feira (10) após a publicação de um relatório que indicou um aumento inesperado nas reservas comerciais do petróleo nos Estados Unidos, o que preocupou o mercado.

O barril de Brent do Mar do Norte para entrega em março encerrou em queda de 1,01%, a 76,80 dólares. Por sua vez, o americano West Texas Intermediate (WTI) para fevereiro perdeu 1,20%, a 71,37 dólares.

Os preços vinham subindo, com o WTI em alta de 1,84%, antes do relatório semanal de reservas nos Estados Unidos, que reverteu a tendência do mercado.

As reservas americanas aumentaram em 1,3 milhão de barris na semana passada, de acordo com dados divulgados pela Administração de Informação de Energia do país (EIA).

Trata-se de um movimento de estoques pouco comum para esta época do ano, pleno inverno no hemisfério norte.

O número surpreendeu o mercado, que esperava uma queda de cerca de 150.000 barris para a semana que terminou em 5 de janeiro, segundo o consenso coletado pela agência Bloomberg.

Essa alta nas reservas é explicada principalmente por menores exportações (-37% em uma semana). Enquanto as importações se moderaram (-9%).

Outro fator é uma menor cadência nas refinarias, com taxas de utilização de 92,9% em comparação com 93,5% na semana anterior.

Em meio a várias tempestades de inverno que atingiram os Estados Unidos, com quedas bruscas de temperatura, os produtos destilados tiveram uma demanda elevada em 29%. Essa categoria inclui o combustível para aquecimento doméstico e o gás propano usado para cozinhar (+17%).

Continua após a publicidade

A produção, por outro lado, permaneceu em 13,2 milhões de barris (mb) diários.

"Foi um relatório extremamente ruim" para os preços, comentou Stephen Schork, do Schork Group.

Além disso, as reservas de gasolina cresceram em 8 mb, depois de subirem 10,9 mb uma semana antes. É o segundo maior aumento registrado em duas semanas, apontou Schork.

"Esta série de aumentos (nas reservas dos Estados Unidos) compensa as preocupações sobre a situação no Mar Vermelho e as perturbações na Líbia", resumiu Matt Smith, da Kpler.

De qualquer forma, "os dados de demanda são bons", ponderou Schork. "Mas temos reservas demais e a produção continua superando a demanda", acrescentou.

Enquanto os Estados Unidos produzem em um ritmo quase recorde, também está sendo extraído mais petróleo no Irã, Venezuela, Brasil e Guiana.

Continua após a publicidade

tu/mr/arm/ic/am

© Agence France-Presse

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes