Conteúdo publicado há 26 dias

FMI aprova desembolso de R$ 23,3 bilhões de apoio para a Argentina

O conselho executivo do Fundo Monetário Internacional (FMI) aprovou, nesta quarta-feira (31), um desembolso de cerca de US$ 4,7 bilhões (R$ 23,3 bilhões) para a Argentina, visando "apoiar" os esforços do governo do presidente Javier Milei para restabelecer "a estabilidade macroeconômica".

Desde que assumiu o cargo há menos de dois meses, Milei desvalorizou o peso em 50%, iniciou um processo de liberalização de preços e pretende modificar centenas de normas e leis para tentar reverter uma crise que mantém mais de 45% dos argentinos na pobreza, com uma inflação anual de 211% em 2023.

O desembolso imediato "de cerca de 4,7 bilhões de dólares" permite "apoiar os claros esforços políticos das autoridades para restabelecer a estabilidade macroeconômica", afirma o FMI em um comunicado, em um apoio significativo a Milei, justamente quando o Congresso debate um polêmico pacote de reformas ultraliberais.

"Está sendo implementado um ambicioso plano de estabilização para corrigir graves desvios de políticas nos últimos trimestres de 2023", quando o peronista Alberto Fernández governava, acrescenta.

"O plano se concentra no estabelecimento de uma forte âncora fiscal, juntamente com políticas para reduzir de forma duradoura a inflação, reconstruir as reservas e abordar as distorções e os problemas de longa duração", detalha.

No entanto, a organização financeira adverte que "o caminho para a estabilização será desafiador".

A aprovação do conselho para a sétima revisão do acordo de crédito com a Argentina eleva para cerca de US$ 40,6 bilhões (R$ 201 bilhões) a quantia concedida ao país sul-americano, como parte de um programa de ajuda de 44 bilhões (R$ 218 bilhões).

A Argentina enfrenta uma crise com escassez de divisas, um alto endividamento em um contexto de praticamente nenhum acesso aos mercados internacionais de crédito.

Na atualização das Perspectivas da Economia Mundial, o FMI estimou na terça-feira que a situação econômica do país será bastante pior do que o previsto este ano. Em outubro, a instituição financeira previa um crescimento de 2,8% para a economia argentina em 2024, mas agora projeta uma contração de 2,8%.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes