ipca
-0,09 Ago.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Tudo o que você precisa saber sobre a ascensão e - aparente - queda do bitcoin em 2017

Reprodução
Imagem: Reprodução

Rory Cellan-Jones

Colunista de tecnologia da BBC News

30/12/2017 06h49

Esse foi um ano e tanto para as criptomoedas. O bitcoin começou 2017 valendo menos de US$ 1 mil (aproximadamente R$ 3,3 mil) e, em dezembro, quase ultrapassou US$ 20 mil em meio a dois meses de grande flutuação.

Durante toda a curva de ascensão do preço da moeda, céticos previram que a bolha iria estourar - e, há duas semanas, parecia que isso estava de fato ocorrendo.

O preço da moeda caiu até quase US$ 13 mil - e passou a flutuar neste patamar. Na sexta, abriu o dia em US$ 14,4 mil e fechou em US$ 13,3 mil. As mudanças têm acontecido com tanta velocidade que qualquer artigo ou matéria sobre a flutuação ficam velhos cinco minutos depois de serem escritos.

O que é preocupante é que estamos no estágio comum em bolhas econômicas em que as pessoas entram na onda de forma impulsiva, sem pensar muito, com pouco conhecimento sobre como o bitcoin funciona e sobre os riscos envolvidos.

Na semana passada, visitei um caixa eletrônico de bitcoin em um café dentro de uma estação de metrô em Londres. Já tinha passado por lá antes, quando parecia ser muito pouco utilizado, mas, dessa vez um fluxo constante de pessoas - em sua maioria homens jovens - chegava para botar notas de 20 libras na máquina e comprar uma pequena fração de bitcoin.

A maioria deles não queria conversa, mas um me contou que investiu cerca de 10 mil libras em criptomoedas. Quando perguntei o que ele faria se a bolha de fato estourasse, respondeu: "Vou manter as moedas. Tenho certeza que o preço vai subir de novo. Mesmo se cair muito, vou segurar [as moedas]."

Lento despertar

Na rede social Reddit, na semana passada, várias pessoas de repente estavam se dando conta de que mercados também podem cair.

"Discuti com minha esposa durante meses para comprar", escreveu um homem, logo depois de uma queda brusca no preço. "Finalmente consegui comprar um, quando estava a US$ 19,4 mil...", revelou, soltando um palavrão em seguida.

Essas flutuações violentas no valor do bitcoin estão deixando cada vez mais evidente que não se trata realmente de uma moeda - existem pouquíssimos lugares que o aceitam e ninguém quer gastar uma moeda que pode valer muito mais no dia seguinte.

Na reunião editorial da BBC, discutimos se deveríamos continuar a usar o termo criptomoeda já que o bitcoin claramente não funciona como meio de troca. Mas, no final, decidimos que os termos commodity e ativo financeiro também não são muito representativos.

Agora, a sensação é de que o mercado não vai aguentar a pressão com o alvoroço se espalhando do bitcoin para outras "moedas" virtuais e para a tecnologia que as torna possível - a chamada blockchain. Essa semana, a empresa de bebidas Long Island Iced Tea viu suas ações subirem mais de 400% depois de mudar seu nome para Long Blockchain - prova de que esse frenesi das criptomoedas está atingindo uma velocidade terminal.

Essa é a visão, por exemplo, de David Gerard, que escreveu o livro Attack of the 50 Foot Blockchain (O Ataque do Blockchain de 50 pés, em tradução livre) e desconstruiu o fenômeno todo de forma muito convincente. Sua preocupação é com as pessoas que entraram na onda no último momento.

"É assim que as bolhas econômicas funcionam. Pessoas compram porque outros estão comprando e assumem que podem vender e ficar ricos. Quando a bolha estourar - e é 'quando', não 'se' - será um desastre para muitas pessoas."

Uma preocupação é com o momento em que, ao tentar liquidar seus ativos, a saída esteja bloqueada.

Eu tenho vendido bitcoins que comprei há 18 meses, quando paguei 60 libras (cerca de R$ 266) por uma fração de 0,17 de unidade.

Em tese, a operação deveria ser simples e eu de fato vendi parte do que tinha por 500 libras (cerca de R$ 2.220) por uma pequena taxa de câmbio. Mas conseguir que o dinheiro em libras de fato caísse na minha conta de banco se mostrou mais complexo do que pensava. Ainda estou para receber meu dinheiro.

Isso é bem diferente das "finanças sem dificuldade" prometidas pelos defensores do bitcoin. E se a corrida para vender continuar, existe uma boa chance do sistema entrar em colapso.

Mais Economia