Bolsas

Câmbio

Análise: Loucura é regra nas Bolsas dos EUA após eleição presidencial

Oliver Renick

(Bloomberg) -- Nas horas após a eleição de um novo presidente nos EUA, os investidores das Bolsas precisam se preparar para uma onda de instabilidade. O que eles não podem fazer é entrar em pânico.

Independentemente de como os preços das ações reagirão em 9 de novembro, as oscilações no S&P 500 no dia seguinte às votações são inúteis em se tratando de indicar o que vem depois. Na média, o índice oscila 1,5% no dia após a eleição. Mas ganhos e perdas nessas primeiras 24 horas só preveem a direção do mercado 12 meses depois menos da metade das vezes.

Isso importa porque a compulsão a agir logo após o resultado costuma ser muito forte. Segundo dados compilados pela agência de notícias Bloomberg, as Bolsas flutuam duas vezes mais que o normal nessas ocasiões.

Após Barack Obama derrotar John McCain em 2008, a queda foi de 5%. Mas embora nada indique que a reação das Bolsas na quarta-feira será um sinal para o ano, nada diz que não será. Portanto, os investidores precisam pensar duas vezes antes de tomar qualquer atitude drástica.

"É muito difícil tentar negociar em cima disso", disse Thomas Melcher, diretor de investimentos da PNC Asset Management, na Filadélfia. "Mesmo se o mercado cair, quem tiver qualquer horizonte de tempo razoável tem uma oportunidade de compra. A poeira vai baixar e as pessoas vão concluir que a economia vai bem."

Nas 22 eleições desde 1928, o S&P 500 caiu 15 vezes no dia após o fechamento das urnas, com perda média de 1,8%. Em nove dessas ocasiões, as Bolsas mudaram de rumo e subiram nos 12 meses seguintes, de acordo com dados compilados pela Bloomberg.

Obama é o melhor exemplo da não confiabilidade dos sinais do dia seguinte a cada votação. A vitória dele em meio à crise financeira em 2008 precedeu um tombo de dois dias que eliminou mais de US$ 2 trilhões em valor de mercado globalmente. Na reeleição dele em 2012, o S&P 500 sofreu queda acumulada de 3,6% nos dois dias seguintes - a pior baixa do ano até então.

Mas as Bolsas americanas não têm do que reclamar a Obama. O S&P 500 registra ganho anual médio de 13,3% desde 4 de novembro de 2008, desempenho superior ao registrado sob nove dos 12 presidentes anteriores.

Os dados provavelmente mostram que os investidores têm dificuldade para processar o significado de um novo presidente logo após o dia da eleição –ou dão ao vencedor maior importância do que deveriam.

As oscilações nos setores não indicam mais do que as oscilações no mercado como um todo. O S&P 500 Health Care Index recuou 3,6% no dia após a primeira vitória de Obama, mas é o terceiro grupo de melhor desempenho no mercado acionário desde então, com avanço de 149%.

O partido vitorioso tampouco importa. A alta mediana do S&P 500 sob governos democratas desde 1928 é de 27,7% e, sob republicanos, de 27,3%, de acordo com a Leuthold Group.

"Ou os resultados sugerem que as diferenças das medidas adotadas pelos partidos são totalmente refletidas nos preços das ações quando um candidato oficialmente assume o cargo ou superadas por forças cíclicas maiores ou fundamentalmente indistinguíveis entre si", disse Doug Ramsey, diretor de investimentos da instituição. "Na prática, é provável que todos os três fatores tenham influência."

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos