Bolsas

Câmbio

Epidemia de septicemia nos EUA gera US$ 27 bilhões em custos

John Tozzi

(Bloomberg) -- A septicemia - uma doença frequentemente letal em que o sistema imunológico do corpo ataca seus próprios órgãos na tentativa de combater uma infecção -- é a principal causa de morte nos hospitais dos EUA e só recentemente o país começou a entender o tamanho do problema.

Um novo relatório do governo sugere que os casos de septicemia triplicaram nos dez anos de 2005 até 2014 e causaram 1,5 milhão de internações hospitalares no fim desse período. É um número alarmante, mas também pode ser enganoso. Especialistas que estudam a septicemia dizem que, na verdade, o aparente aumento reflete a maneira em que os médicos estão progredindo na identificação de casos que antes não eram detectados.

A septicemia é uma doença veloz que ocorre quando a tentativa do próprio corpo de derrotar uma infecção externa causa danos a tecidos e órgãos. Não existe um teste único para diagnosticá-la -- os médicos precisam avaliar uma série de sintomas e sinais biológicos. Ela pode acelerar o batimento cardíaco e provocar problemas de respiração, febre ou arrepios e dor extrema. Ela tem mais probabilidades de ocorrência em idosos e pessoas com outras doenças. A septicemia poderia ser a causa de até metade das mortes nos hospitais.

Atenção

A atenção recente é compreensível. Uma contagem federal de dados de faturamento de hospitais mostra uma alta abrupta e constante dos casos de septicemia. Um novo relatório da Agência de Pesquisa e Qualidade do Atendimento à Saúde, uma agência federal americana que estuda práticas clínicas, concluiu que a septicemia era o motivo mais comum de internação hospitalar, com exceção de gravidez e partos. Os tratamentos custaram US$ 27 bilhões em 2014, cerca de US$ 18.000 por caso.

Estudos apresentados em uma conferência em maio e financiados pelos Centros para Controle de Doenças dos EUA usaram dados clínicos de cadastros de saúde digitais de 412 hospitais para estimar a incidência de septicemia nos EUA. A análise deu um número similar ao do novo relatório federal: cerca de 1,67 milhão de casos em 2014. Também se concluiu que o número é estável desde 2009. Em outras palavras, talvez sempre haja existido o mesmo número de casos de septicemia.

A diferença agora parece ser que os médicos estão melhorando na detecção, por isso o crescimento na codificação dos hospitais.

Em alta

As taxas verdadeiras de septicemia estão aumentando em parte porque a população dos EUA está envelhecendo, diz Steven Simpson, diretor de cuidados pulmonares e intensivos no University of Kansas Medical Center. Além disso, a medicina está progredindo na manutenção com vida de pessoas com doenças graves, como recebedores de órgãos, pacientes de câncer e aqueles com doenças autoimunes como VIH - que são casos mais suscetíveis à septicemia. E pessoas sem planos de saúde ou acesso a atendimento médico talvez adiem o tratamento de uma infecção menor até ela piorar.

"A septicemia está crescendo, crescendo e crescendo há muito tempo", diz Simpson.

Receba notícias do UOL. É grátis!

Facebook Messenger

As principais notícias do dia pelo chatbot do UOL para o Facebook Messenger

Começar agora

Receba por e-mail as principais notícias, de manhã e de noite, sem pagar nada. É só deixar seu e-mail e pronto!

UOL Cursos Online

Todos os cursos