PUBLICIDADE
IPCA
0,87 Ago.2021
Topo

UE está pronta para oferecer acordo ao Reino Unido: Fonte

Ian Wishart

25/04/2018 11h53

(Bloomberg) -- A União Europeia está preparada para oferecer ao Reino Unido um acordo comercial melhor ao proposto à Turquia se o país decidir permanecer na união aduaneira após o Brexit e ouviria as opiniões britânicas a respeito da política comercial, segundo um representante da UE.

O representante, que falou sob condição de anonimato, disse que o Reino Unido precisaria abrir mão de sua autonomia e não teria lugar na mesa de negociações quando a UE negociasse com outros países. Mas seria possível estabelecer um diálogo entre o Reino Unido e a UE para o comércio e a UE adotaria uma abordagem pragmática para um acordo do tipo.

A primeira-ministra Theresa May enfrenta cada vez mais pressão para recuar e manter o Reino Unido na união aduaneira após o Brexit. Empresas, parlamentares de oposição e muitos integrantes do próprio partido de May desejam continuar no regime de comércio para evitar perturbações ao comércio transfronteiriço e também para ajudar a resolver a questão da fronteira irlandesa, um grande obstáculo nas negociações do divórcio.

A primeira-ministra preside nesta quarta-feira uma reunião de ministros importantes, que deverão discutir que tipo de relacionamento futuro o Reino Unido buscará com a UE após a separação. O círculo íntimo de May acredita que ela pode ser forçada a aceitar continuar na união aduaneira e o Parlamento se prepara para votar sobre o assunto no mês que vem. Mas, se ceder, ela corre o risco de ter sua liderança desafiada pelos defensores mais entusiastas do Brexit em seu partido.

Modelo turco

O modelo mais citado de união aduaneira é o da UE com a Turquia, que tem muitas falhas. A Turquia precisa abrir seus mercados aos países com os quais a UE costura acordos, mas não tem voz na negociação. Isso deixaria o Reino Unido vulnerável a ter seus interesses vendidos pelos negociadores da UE, que não estão preocupados em proteger os interesses britânicos.

A permanência no bloco comercial também poderia gerar uma crise política interna porque os defensores do Brexit no gabinete de May têm dito há tempos que a capacidade de fechar novos acordos comerciais de forma independente da UE é um grande benefício do Brexit. Para o Reino Unido, permanecer na união aduaneira significaria, na prática, terceirizar a política comercial para produtos, mas o país ainda poderia manter a independência em relação aos serviços.

Um acordo do tipo ajudaria as empresas com as vendas internacionais e com as cadeias de abastecimento, mas os benefícios ainda ficariam muito aquém dos oferecidos pela permanência no mercado único. Por outro lado, nas negociações do Brexit, o Reino Unido ainda conseguiria cumprir a promessa de acabar com a liberdade de movimento, o que não seria possível se o país permanecesse no mercado único.

PUBLICIDADE