IPCA
0.11 Ago.2019
Topo

Bolsonaro apoia Macri para reeleição na Argentina

Jose Orozco e Aline Oyamada

14/07/2019 18h50

(Bloomberg) -- O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, está apoiando seu aliado Mauricio Macri para a reeleição na Argentina este ano e diz que a vitória de um partido de oposição que inclua a ex-líder Cristina Fernández de Kirchner poderia gerar um atrito político entre os dois países.

Bolsonaro disse em entrevista ao jornal argentino Clarín que está preocupado com a intenção do candidato à presidência Alberto Fernández - que recentemente visitou o ex-presidente brasileiro Luiz Inácio Lula da Silva, preso em Curitiba - de revisar o acordo comercial Mercosul-União Europeia. Após dizer que não interfere na política de outros países, Bolsonaro disse esperar que Cristina Kirchner, candidata a vice-presidente, não retorne ao poder na Argentina.

Se pessoas relacionadas a Cristina Kirchner, que são próximas a Lula, Dilma, etc, voltarem ao poder, então acho que a Argentina terá sérios problemas, afirmou.

Sobre outras questões, o presidente disse que a reforma da Previdência no Brasil, aprovada em 1º turno na Câmara dos Deputados, impulsionará o crescimento econômico neste ano. Depois que a reforma for totalmente aprovada, Bolsonaro espera que uma lei sobre liberdades econômicas facilite a abertura de empresas, reduzindo a burocracia e fortalecendo ainda mais a economia.

Bolsonaro reiterou sua ideia de nomear seu filho e deputado federal, Eduardo, como embaixador nos EUA, dizendo que a amizade dele com os filhos do presidente Donald Trump lhe dá uma vantagem nos entendimentos com Washington. Ele negou alegações de nepotismo.

Bolsonaro está enfrentando uma onda de críticas, mesmo de seus partidários, depois de mencionar que está pensando em seu filho para o posto nos EUA. Os parlamentares questionaram, a associação de diplomatas brasileiros disse ser contra e as piadas e os memes a respeito inundaram as mídias sociais.

Repórteres da matéria original: Jose Orozco em Cidade do México, jorozco8@bloomberg.net;Aline Oyamada em São Paulo, aoyamada3@bloomberg.net

Mais Economia