PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Penas aumentam em escândalo de propinas de faculdades dos EUA

Janelle Lawrence

25/09/2019 10h17

(Bloomberg) -- O segundo pai condenado no escândalo de propinas para admissão em universidades dos Estados Unidos pegou quatro meses de prisão - muito mais do que a sentença de duas semanas da atriz Felicity Huffman - por pagar US$ 250 mil para que seu filho conseguisse uma vaga na Universidade do Sul da California, como um falso atleta de polo aquático.

"Isso não é um erro", disse a juíza sobre a participação de Devin Sloane no golpe, tendo também condenado Sloane à liberdade condicional por dois anos, uma multa de US$ 95 mil e 500 horas de serviço comunitário. "Esta é uma decisão e um curso de ação."

Os outros 13 pais que se declararam culpados na extensa acusação de corrupção provavelmente vão se lembrar da sentença com a proximidade de suas próprias audiências. Antes de definir a sentença de Sloane, a juíza distrital dos EUA, Indira Talwani, rebateu o argumento do advogado de defesa, segundo o qual o executivo de Los Angeles, de 53 anos, é um homem bom, mas foi atraído para o crime pelo empresário Rick Singer, o mentor confesso do esquema.

"Por que importa, em termos da minha sentença, que alguém o tenha convidado para cometer esse crime?", perguntou Talwani.

Ela disse que a defesa estava colocando criminosos em duas categorias: pessoas boas que cometem erros e pessoas más que são descobertas.

"Eu não condeno pessoas boas ou más", disse Talwani. "Eu condeno pessoas." Promotores haviam pedido um ano.

O governo dos EUA disse que está movendo outros processos de lavagem de dinheiro internacional e fraude eletrônica contra Xiaoning Sui, um cidadão chinês que mora no Canadá e que acaba de ser citado no caso. Sui supostamente pagou US$ 400 mil a Singer para colocar o filho na Universidade da Califórnia em Los Angeles como suposto jogador amador de futebol.

Huffman pagou US$ 15 mil para manipular as notas do exame de admissão da filha. O crime de Sloane foi "muito mais flagrante", disse o procurador-assistente dos EUA, Eric Rosen, a Talwani na terça-feira antes da sentença ser proferida. Sloane pagou 17 vezes mais, disse, acrescentando que a estrela de "Desperate Housewives" "admitiu sua atividade criminosa, enquanto o réu se fez de vítima e culpou outros".

Rosen disse que Sloane literalmente "jogou o filho na piscina da família", uma referência a uma foto tirada para que seu filho parecesse um jogador de polo aquático e que, mais tarde, tentou recuperar uma doação que fez à USC como suborno - uma afirmação que a defesa negou.

"Que isso seja uma lição aprendida", disse Rosen. "Quando você suborna alguém e comete um crime, não recebe seu dinheiro de volta."

--Com a colaboração de Patricia Hurtado.

Para contatar o editor responsável por esta notícia: Daniela Milanese, dmilanese@bloomberg.net