PUBLICIDADE
IPCA
0,86 Out.2020
Topo

Exportadores vendem US$ 31,5 bilhões de dólar a termo no Brasil

Cristiane Lucchesi

23/04/2020 11h16

(Bloomberg) -- As empresas brasileiras estão vendendo contratos a termo de dólar em valores recordes para travar os preços de suas exportações à medida que o real cai.

Comparado com o ano anterior, o valor de contratos de venda de dólar fechados por empresas não-financeiras no mercado de balcão mais do que dobrou no mês passado, para US$ 31,5 bilhões, de acordo com a B3, que registra as transações. O total foi de US$ 16,3 bilhões em fevereiro.

"Tivemos um movimento muito abrupto no mercado de câmbio, uma estilingada, e os exportadores estão aproveitando a oportunidade para vender contratos a termo de dólar a fim de garantir que suas exportações sejam realizadas com uma cotação atrativa", disse Fabio Zenaro, diretor de produtos de balcão, commodities e novos negócios da B3.

O real registrou o pior desempenho em relação ao dólar este ano entre as principais moedas do mundo, recuando 25% à medida que investidores estrangeiros fugiam do Brasil e fundos de investimento locais usavam o dólar como uma proteção diante das consequências da pandemia de coronavírus.

As empresas brasileiras que buscam proteger seus balanços e suas dívidas em dólar estão na outra ponta, comprando mais contratos a termo de dólar, de longe o instrumento mais comum de hedge cambial usado pelas empresas não-financeiras no Brasil. Por meio de um contrato a termo, as partes trocam no futuro duas moedas usando uma cotação definida hoje.

"Muitas empresas têm políticas de stop loss, e um movimento tão forte pode forçá-las a comprar" mesmo a preços pouco atraentes, disse Zenaro.

As empresas compraram US$ 17,8 bilhões em contratos a termo de dólar no mês passado, um aumento de 35% em relação ao ano anterior e 25% a mais do que no mês anterior, disse a B3.

Somando os contratos a termo de US$ 49,3 bilhões comprados e vendidos por empresas no Brasil no mês passado o número também foi um recorde histórico, disse Zenaro.

©2020 Bloomberg L.P.