PUBLICIDADE
IPCA
+0,93 Mar.2021
Topo

Solar e eólica agora fontes mais baratas em maior parte do mundo

Brian Eckhouse

28/04/2020 09h46

(Bloomberg) -- As energias solar e eólica em terra agora são as novas fontes de eletricidade mais baratas em pelo menos dois terços da população mundial, o que ameaça ainda mais dois pilares dos combustíveis fósseis: carvão e gás natural.

O custo nivelado da eletricidade para projetos eólicos em terra caiu 9%, para US$ 44 por megawatt-hora desde o segundo semestre do ano passado. O custo da energia solar mostrou queda de 4%, para US$ 50 por megawatt-hora, de acordo com relatório divulgado na terça-feira pela BloombergNEF.

Os preços são ainda mais baixos em países como Estados Unidos, China e Brasil. Os custos de equipamentos caíram, as tecnologias melhoraram e governos do mundo todo aumentaram as metas de energia limpa para combater a mudança climática. Com isso, carvão e gás natural podem perder mercado quando as concessionárias desenvolverem novas usinas de energia.

"Os melhores projetos solares e eólicos da categoria estarão abaixo de US$ 20 por megawatt-hora antes de 2030", disse Tifenn Brandily, analista da BNEF, em comunicado. "Existem muitas inovações no pipeline que reduzirão ainda mais os custos."

Ainda não está claro se o impacto do coronavírus nos preços do carvão e do gás vai afetar a competitividade das energias eólica e solar. "Se sustentado, isso pode ajudar a proteger a geração de combustíveis fósseis por um tempo da redução dos custos das energias renováveis", afirmou Seb Henbest, economista-chefe da BNEF, em comunicado.

Há uma década, a energia solar custava mais de US$ 300 por megawatt-hora, e a eólica em terra ultrapassava US$ 100 por megawatt-hora. Hoje, a energia eólica onshore custa US$ 37 nos EUA e US$ 30 no Brasil, enquanto a energia solar tem custo de US$ 38 na China, as fontes mais baratas de nova eletricidade nesses países.

O armazenamento de bateria também se torna mais competitivo. O custo nivelado de eletricidade das baterias caiu para US$ 150 por megawatt-hora, cerca da metade do nível há dois anos. Isso fez com que se tornasse a nova tecnologia de pico de energia mais barata em países que importam gás, incluindo Europa, China e Japão.

O preço nivelado da eletricidade da BNEF mede todo o custo da geração de energia, que leva em conta desenvolvimento, construção e equipamentos, financiamento, matéria-prima, operação e manutenção.

©2020 Bloomberg L.P.