PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Pandemia pode colocar 12 milhões em extrema pobreza na Índia

25.mai.2020 - Passageiros usam máscaras durante reabertura do Aeroporto Internacional Indira Gandhi, na Índia - Anadolu Agency via Getty Images
25.mai.2020 - Passageiros usam máscaras durante reabertura do Aeroporto Internacional Indira Gandhi, na Índia Imagem: Anadolu Agency via Getty Images

Upmanyu Trivedi e Vrishti Beniwal

28/05/2020 16h32

Abdul Kareem teve de parar de estudar e fazer bicos como consertar bicicletas, antes de finalmente conseguir tirar a família da pobreza extrema, transportando mercadorias pela capital indiana em uma caminhonete.

O trabalho e a pequena segurança financeira conseguida foram o primeiro passo para uma vida melhor.

Agora, tudo foi por água abaixo diante do impacto econômico do novo coronavírus na Índia.

Kareem está desempregado e confinado em sua vila no estado de Uttar Pradesh, no norte do país, com a esposa e dois filhos. As poucas economias da renda de 9 mil rupias (US$ 119) por mês se esgotaram, e o dinheiro que economizou para livros e uniformes escolares teve de ser gasto.

"Não sei qual será a situação do mercado de trabalho em Déli quando voltarmos", disse Kareem. "Não podemos passar fome, então farei o que encontrar."

Pelo menos 49 milhões de pessoas no mundo todo devem entrar para o grupo de "pobreza extrema" — os que vivem com menos de US$ 1,90 por dia — como resultado direto da destruição econômica causa pela pandemia, e a Índia lidera essa projeção. O Banco Mundial estima que 12 milhões de indianos devem fazer parte desse grupo neste ano.

"Muitos dos esforços do governo indiano para mitigar a pobreza ao longo dos anos podem ser eliminados em questão de poucos meses", disse Ashwajit Singh, diretor-gerente da IPE Global, consultoria do setor de desenvolvimento que assessora várias agências de ajuda multinacionais.

Observando que não esperava que as taxas de desemprego melhorassem este ano, Singh disse: "Mais pessoas podem morrer de fome do que devido ao vírus".

Economia