PUBLICIDADE
IPCA
-0,38 Mai.2020
Topo

Minério de ferro rumo a US$ 100 a tonelada em meio a rali mensal

Annie Lee

29/05/2020 07h20

(Bloomberg) -- Os contratos futuros de minério de ferro avançaram rumo a US$ 100 a tonelada em Cingapura, impulsionados por ganho mensal recorde em meio a preocupações sobre a oferta no Brasil e demanda forte e constante na China, maior produtora mundial de aço.

Os futuros mais ativos deram um salto de 22% em maio, refletindo, em parte, o cenário no Brasil, segundo maior exportador mundial. O aumento de casos de coronavírus no país gera o receio de que a pandemia possa restringir a oferta local. No mês passado, a Vale cortou o guidance anual para embarques devido às condições climáticas e impacto do vírus nas operações. Enquanto isso, os estoques portuários de minério de ferro na China continuam em queda.

O minério de ferro mostra ganhos em 2020, mesmo com o impacto da pandemia do coronavírus na atividade industrial de muitas economias. No entanto, a Bloomberg Intelligence e outros observadores alertam que o mercado pode passar a registrar excedente no segundo semestre. Além da Vale, os preços mais altos devem aumentar os retornos da BHP, Rio Tinto e Fortescue Metals.

A retomada antecipada das operações industriais na China puxou a recuperação da atividade logística, e siderúrgicas continuam aumentando a produção, escreveram analistas como Ma Kai, da China International Capital, em relatório. "O minério de ferro manterá fundamentalmente um saldo apertado neste ano", com recuperação gradual da oferta a partir do terceiro trimestre, disseram.

Os preços chegaram a subir 5,7%, para US$ 98,24 em Cingapura. Na Bolsa de Mercadorias de Dalian, os futuros acumulam alta de 23% em maio.

Em projeção recente, o Credit Suisse disse que o mercado está agora no "pico do aperto", uma condição que deve persistir até julho. A Bloomberg Intelligence espera superávit de 34 milhões de toneladas no segundo semestre devido à maior oferta e demanda estagnada, em relação a um déficit de 25 milhões de toneladas no primeiro semestre.

©2020 Bloomberg L.P.

Economia