PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Americanos espalham medo de contágio na Irlanda

Dara Doyle

24/07/2020 14h56

(Bloomberg) -- Um barman em Kerry, no sudoeste da Irlanda, correu para encontrar seu chefe no início deste mês. Temos problemas, Gerard Kennedy foi avisado.

"Ele disse 'é um americano'", segundo Kennedy, que administra a casa de hóspedes Moorings e o Bridge Bar. "Era como se ele tivesse visto um crocodilo. Normalmente, amamos visitantes estrangeiros. Mas, agora, as pessoas aqui estão apenas nervosas."

O episódio é um microcosmo do medo causado pelos americanos que viajam para a Irlanda, um dos poucos países da União Europeia que atualmente permitem turistas. Não há sinal de aglomerações, mas os habitantes locais ainda estão assustados com a perspectiva de uma segunda onda de coronavírus estimulada por visitantes estrangeiros, especialmente do país com o pior surto do mundo.

Como um exemplo da recepção calorosa que pode esperar os americanos quando o resto da UE reabrir, as reservas na Irlanda foram canceladas e os visitantes se afastaram, enquanto os habitantes locais questionam a lógica dessa política.

"A Covid-19 está fora de controle nos EUA", disse Darren O'Rourke, porta-voz do Sinn Fein, principal partido de oposição da Irlanda. "É imprudente que os voos tenham permissão para pousar aqui sem verificações ou precauções adicionais."

No início deste mês, a UE estendeu a proibição de viagens para residentes dos EUA, considerando inadequada a resposta da pandemia americana. Embora não fosse vinculativo, a maioria dos Estados membros seguiu o conselho. Mas a Irlanda permaneceu aberta. Não tornou a quarentena obrigatória como a Eslovênia ou exigiu um teste de negativo para Covid-19 como fez a Croácia.

Sob pressão para justificar a abordagem, o primeiro-ministro irlandês Micheal Martin disse aos parlamentares nesta semana que a quarentena obrigatória pouco controlaria a propagação do vírus, e que o governo ainda está desencorajando viagens não essenciais ao país.

"Movimento restrito é muito severo", disse ele. "Significa essencialmente que você pode ir às lojas."

As chegadas irlandesas dos EUA caíram mais de 95%. Mas a preocupação é que os americanos que chegam à Ilha Esmeralda estão fazendo mais do que compras e não estão tomando as devidas precauções.

Na sexta-feira, Martin disse que talvez seja hora de tornar as viagens à Irlanda mais desafiadoras, sugerindo que o governo pode considerar a busca de testes negativos de viajantes vindos de epicentros de coronavírus.

No início deste mês, Janet Kavanagh cancelou um passeio de bicicleta reservado por dois visitantes norte-americanos por não terem ficado em quarentena.

Alarme falso

A confusão em torno das regras frustra muitos. A destilaria de uísque de Jack Teeling, na histórica área de Liberties, em Dublin, também afastou alguns visitantes do exterior porque eles não se isolaram por duas semanas.

"Isso vai contra tudo o que tentamos defender em termos de uma experiência calorosa e amigável", disse Teeling. "Isso me parece extremamente prejudicial para nossa reputação geral de turistas."

De volta ao Moorings - um ponto de parada popular em viagens para ver a ilha irregular de Skellig Michael, onde parte da série Star Wars foi filmada - Kennedy tomou muito cuidado para reabrir com segurança.

No final, o susto americano provou ser um alarme falso. Não era um turista, mas um dos 10.000 cidadãos americanos que moram na Irlanda.

"Foi engraçado", disse Kennedy. "Mas isso mostra como alguns estão nervosos. A maioria de nós está um pouco assustada."

©2020 Bloomberg L.P.