IPCA
-0.04 Set.2019
Topo

EUA autorizam bancos a operar com negócios de venda de maconha

14/02/2014 19h32

Washington, 14 fev (EFE).- O Departamento de Justiça dos Estados Unidos publicou nesta sexta-feira as normas que permitirão que os bancos possam prestar serviços financeiros a negócios que podem vender maconha legalmente no país.

O memorando da Justiça e do Tesouro está dirigido aos representantes do Ministério Público para limitar as acusações por venda de maconha, cuja comercialização para uso medicinal está permitida em grande parte do país e para uso recreativo em dois Estados (Colorado e Washington).

Nos Estados nos quais a venda foi legalizada, os delitos se limitarão a oito preceitos, entre eles a distribuição a menores, tráfico com cartéis da droga e comercialização para Estados nos quais a maconha não é legal.

Entenda o funcionamento do tráfico mundial de drogas

No caso em que se respeitem essas exceções descritas pelo Departamento de Justiça, os bancos não poderão ser acusados em nível federal por fornecer serviços a negócios que comercializam derivados do cânhamo.

A legislação é necessária, já que a venda de maconha é ilegal em nível federal, mas não sob a lei de alguns Estados e, portanto, o setor bancário pedia garantias suficientes que não se veriam nos tribunais federais por financiar o negócio.

A rede de aplicação de leis contra delitos financeiros do Departamento do Tesouro (FinCEN, na sigla em inglês) assegurou que estas normas trarão clareza e transparência para discernir entre comportamentos criminosos e legais.

"Agora que alguns Estados decidiram legalizar e regular o comércio de maconha, a FinCEN procura tirar das sombras as operações financeiras encobertas do negócio da maconha", indicou em comunicado a diretora do departamento, Jennifer Shasky Calvery.

O sistema funcionará classificando todas as transações financeiras de negócios de maconha como "suspeitas". Aquelas que sejam legais deverão responder satisfatoriamente a um relatório que as eximirá de investigações a fundo dos reguladores.

Mais Economia