PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

EUA e Cazaquistão aumentam cooperação em matéria de segurança nuclear

31/03/2016 20h24

Washington, 31 mar (EFE).- Estados Unidos e Cazaquistão anunciaram nesta quinta-feira o fortalecimento da cooperação em matéria de segurança e não-proliferação nuclear durante a participação do presidente cazaque, Nursultan Nazarbayev, na cúpula de Washington.

"Cazaquistão e Estados Unidos da América confirmaram o compromisso de aplicar medidas práticas para fortalecer o regime de não-proliferação nuclear e melhorar a segurança nesse tema", informaram os governos em comunicado conjunto distribuído pelo Cazaquistão.

O documento menciona as medidas adotadas pelo Cazaquistão para melhorar a segurança do armazenamento dos materiais nucleares e nele ambos os países reafirmam seu compromisso de continuar a colaboração.

Os governos informaram a "eliminação bem-sucedida de todo o urânio altamente enriquecido (UME) do reator de pesquisa WWR-K no Cazaquistão rebaixando este material na produtora de combustível nuclear". Também anunciaram os compromissos do país asiático "para devolver o urânio altamente enriquecido à Rússia o quanto antes", eliminando assim todo o existente no Instituto de Física Nuclear.

Na declaração conjunta, os dois governos se mostraram satisfeitos com os esforços que fizeram para estabelecer o Centro de Formação e Segurança Nuclear (NSTC), que oferecerá capacitação nas áreas de não-proliferação nuclear, proteção e controle de materiais e na luta contra o tráfico de materiais nucleares e radioativos. O centro começou a ser construído no final de 2015 e a previsão é de que comece a funcionar no final deste ano.

Cazaquistão e Estados Unidos se comprometeram ainda a trabalhar juntos na formação pessoal de vigilância, de sistemas de gestão de inventário, assim como na segurança das instalações, no transporte e nos sistemas de informática.

Nazarbayev está em Washington para participar da Cúpula de Segurança Nuclear que começa hoje com o jantar de boas-vindas na Casa Branca que o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, oferecerá aos líderes de mais de 50 países.