ipca
0,48 Set.2018
selic
6,5 19.Set.2018
Topo

Canadá adota represálias contra EUA no valor de US$ 12,8 bilhões

31/05/2018 16h03

Toronto, 31 mai (EFE).- O governo do Canadá imporá tarifas contra produtos americanos no valor de US$ 12,8 bilhões em represália à decisão dos Estados Unidos de restringir as importações de aço e alumínio canadenses.

As medidas foram anunciadas nesta quinta-feira pelo primeiro-ministro canadense, Justin Trudeau, e pela ministra de Relações Exteriores canadense, Chrystia Freeland, em entrevista coletiva em Ottawa.

Trudeau afirmou que as medidas adotadas pelos Estados Unidos "são totalmente inaceitáveis" e que é "inconcebível" que o Canadá possa ser considerado uma ameaça à segurança do seu vizinho com o qual são parceiros na "Norad, na Otan e no mundo todo".

O premiê canadense acrescentou que a decisão do governo americano de impor tarifas às exportações canadenses de aço e alumínio terão um profundo efeito nas relações entre os dois países apesar de o secretário de Comércio dos EUA, Wilbur Ross, ter negado que pudesse ter maiores repercussões.

Neste sentido, Freeland afirmou que as represálias tomadas pelo Canadá representam as maiores adotadas pelo país contra seu parceiro desde a Segunda Guerra Mundial.

Trudeau também revelou que se ofereceu na semana passada para viajar aos EUA para se reunir com o presidente americano, Donald Trump, e fechar a renegociação do Tratado de Livre-Comércio da América do Norte (Nafta), por entender que se estava perto de assinar um acordo.

Mas, na terça-feira, o vice-presidente dos EUA, Mike Pence, lhe comunicou que seu país estava disposto a aceitar a oferta desde que Trudeau aceitasse uma cláusula de cancelamento do Nafta a cada cinco anos.

"Eu lhe disse que era totalmente inaceitável. E a visita não aconteceu", explicou Trudeau.

Por sua parte, Freeland indicou que as tarifas canadenses afetarão o aço e o alumínio americanos assim como outros produtos. A lista final será determinada durante o próximo mês após consultas com setores econômicos do país, acrescentou a ministra canadense.

Mais Economia