PUBLICIDADE
IPCA
0,64 Set.2020
Topo

Dow Jones sobe em meio a esperança por acordo comercial entre EUA e China

25/09/2019 19h38

Nova York, 25 set (EFE).- O índice Dow Jones nesta quarta-feira fechou em alta de 0,61% após o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, afirmar que pode conseguir um acordo comercial com a China "mais cedo do que se imagina", o que animou mercados mundo afora e deixou em segundo plano a preocupação de investidores com o pedido de impeachment movido contra ele na Câmara dos Representantes.

O principal indicador da Bolsa de Nova York somou 162,92 pontos e chegou a 26.970,71. O seletivo S&P 500 subiu 0,62%, para 2.984,87, e o índice composto da Nasdaq avançou 1,05% e fechou aos 8.077,38 pontos.

Ontem, a presidente da Câmara dos Representantes, a política democrata Nancy Pelosi, anunciou a abertura de um pedido de cassação de Trump por trair a segurança nacional, e a notícia afetou Wall Street, que reagiu com quedas.

Hoje, a Casa Branca divulgou um documento com uma transcrição editada da conversa telefônica entre Trump e o presidente ucraniano, Vladimir Zelenski, na qual o americano lhe pede para que investigue o ex-vice-presidente na gestão Barack Obama e atual pré-candidato democrata à presidência dos EUA, Joe Biden, e seu filho.

Mas, o temor de uma instabilidade política em Washington pareceu longe dos holofotes nesta quarta na bolsa diante da possibilidade de um acordo comercial entre EUA e China, que segundo Trump, em declarações em Nova York, está "mais perto do que se imagina".

No Dow Jones, a maior alta foi das ações da Nike (4,15%), que agradou aos investidores com a divulgação de seus resultados trimestrais, nos quais anunciou um aumento de 25% nos lucros. Também subiram de forma destacada os papéis de Intel (2,41%), Dow (2,32%), Apple (1,54%), Microsoft e Walgreens (1,36%, cada). As piores quedas foram dos títulos de UnitedHealth (-1,26%) e Merck (-0,60%).

No horário de fechamento da bolsa, a onça do ouro caía para US$ 1.512, e o rendimento dos treasuries com vencimento em 10 anos subia para 1,732%. EFE