Topo

China registra metade das patentes globais, e EUA perdem força em inovação

15/10/2019 21h14

Antonio Broto.

Genebra, 15 out (EFE).- A China registrou quase a metade das novas solicitações globais de patentes em 2018, enquanto os Estados Unidos ocuparam o segundo lugar, mas diminuíram o ritmo de crescimento neste indicador em relação ao ano anterior, segundo a Organização Mundial da Propriedade Intelectual (OMPI).

Dos 3,3 milhões de pedidos de patentes registrados no mundo no ano passado, 1,54 milhão foram feitos na China. Os EUA aparecem em segundo, com 597.141, seguidos por Japão (313.567), Coreia do Sul (209.992) e União Europeia (174.397).

Em nível global, a apresentação de solicitações aumentou 5,3%, o que foi destacado pela OMPI por superar o aumento do PIB mundial em 2018 (em torno de 3%). Na China, o ritmo de aumento foi ainda maior (11,6%).

Já nos Estados Unidos, as novas solicitações diminuíram 1,6% em relação a 2017, uma porcentagem similar à queda nos pedidos de patentes por parte do Japão, de 1,5%.

Alemanha (67.898), Índia (50.055), Rússia (37.957), Canadá (36.161) e Austrália (29.957) também aparecem no 'top 10' de registro de patentes.

O diretor-geral da OMPI, Francis Gurry, ressaltou a crescente liderança em inovação da Ásia, que arrebatou dois terços das patentes totais em 2018.

"A Ásia segue na frente das demais regiões no que diz respeito à apresentação de solicitações de patentes, marcas, desenhos industriais e outros direitos de propriedade intelectual, que estão na base da economia mundial", afirmou .

Os Estados Unidos, por outro lado, lideraram o indicador de patentes apresentadas em mercados fora do próprio país, com 230.085 solicitações, à frente de Japão (206.739), Alemanha (106.753), Coreia do Sul (69.459) e China (66.429).

De acordo com as análises da OMPI, a apresentação de solicitações de patentes no exterior é um indicativo dos planos de expansão de uma economia para novos mercados.

O relatório da OMPI também compilou o número de solicitações de marca registrada, focadas mais em novos produtos comerciais do que em invenções. Neste caso, o crescimento em escala global foi ainda maior, de 15,5%, para um total de 14,3 milhões em 2018.

Mais uma vez a China ficou com metade das tramitações (7,36 milhões), seguida de longe por Estados Unidos (640.181), Japão (512.156), União Europeia (392.925) e Irã (384.338). Os maiores aumentos entre 2017 e 2018 neste campo foram de Indonésia (alta de 29,1%), China (28,3%), Índia (20,9%), Coreia do Sul (14,5%) e Reino Unido (12,4%).

Um terceiro indicador estudado foi o número de registros de desenho industrial, que ultrapassou 1,3 milhão em todo o mundo e teve um aumento de 5,7%.

Assim como em relação aos casos anteriores, a China ficou disparada na frente, com 54% das tramitações (708.799), seguida por União Europeia (108.174), Coreia do Sul (68.054), Estados Unidos (47.137) e Alemanha (44.460). EFE

Economia