PUBLICIDADE
IPCA
0,24 Ago.2020
Topo

Congresso dos EUA aprova maior pacote de estímulo econômico da história

27/03/2020 20h54

Washington, 27 mar (EFE).- A Câmara dos Representantes dos Estados Unidos aprovou nesta sexta-feira um pacote de estímulo fiscal de mais de US$ 2 trilhões - o maior da história - para tentar conter o impacto econômico da pandemia do coronavírus transmissor da Covid-19.

O plano de estímulo, que representa cerca de 10% do Produto Interno Bruto (PIB) dos EUA, já tinha recebido luz verde do Senado ontem, e com isso resta apenas a assinatura do presidente dos EUA, Donald Trump, para que passe a valer.

Trump já antecipou que, assim que ela chegar à sua mesa, assinará a legislação, aprovada no Congresso pelos políticos dos partidos Democrata e Republicano em uma rara demonstração de apoio bipartidário.

O pacote de estímulo fiscal representa quase o triplo do montante de US$ 700 bilhões concedido após a detonação da crise econômica mundial de 2009.

A legislação inclui US$ 250 bilhões para pagamentos diretos a pessoas e famílias, a partir de US$ 1,2 mil para aqueles com renda inferior a US$ 75 mil por ano, mais US$ 500 para cada filho com menos de 17 anos.

Além disso, estarão disponíveis US$ 350 bilhões em empréstimos para pequenas empresas e outros US$ 250 bilhões para aumento dos benefícios do seguro-desemprego.

Outros US$ 150 bilhões ficarão para apoio às autoridades estaduais e locais, e US$ 130 bilhões para fortalecer o sistema de saúde, que em alguns lugares, como o estado de Nova York, está começando a sentir sobrecarga.

Um dos itens mais contestados tem sido o fundo de empréstimo de US$ 500 bilhões para empresas em dificuldades, como os setores aéreo, hoteleiro e de cruzeiros, já que a Casa Branca e os políticos republicanos queriam que ele fosse administrado exclusivamente pelo Departamento do Tesouro.

Após a oposição dos democratas, a verba ficará sujeita à supervisão de um inspetor independente e traz condições como a limitação dos salários dos executivos, assim como a proibição a empresas do uso de fundos de resgate para recomprar ações a preço mais baixo.