PUBLICIDADE
IPCA
+0,53 Jun.2021
Topo

Ministério da Economia estuda programa de recolocação para trabalhadores da Ford

Ministério da Economia disse ter iniciado conversas para apoiar a recolocação dos 5 mil trabalhadores da Ford que devem perder o emprego com a saída da montadora do Brasil - Justin Sullivan/Getty Images/AFP
Ministério da Economia disse ter iniciado conversas para apoiar a recolocação dos 5 mil trabalhadores da Ford que devem perder o emprego com a saída da montadora do Brasil Imagem: Justin Sullivan/Getty Images/AFP

Adriana Fernandes

Em Brasília

13/01/2021 07h03

O Ministério da Economia disse ter iniciado conversas para apoiar a recolocação dos 5 mil trabalhadores da Ford que devem perder o emprego com a saída da montadora do Brasil. Uma das possibilidades é a criação de um programa específico para ajudar esse grupo de trabalhadores altamente qualificados. Segundo apurou o Estadão, são ideias preliminares que começaram a surgir depois do anúncio da multinacional. Há outras indústrias investindo no Brasil que podem aproveitar esses trabalhadores que já estão treinados.

Apesar de a Ford ter sinalizado no início do governo Bolsonaro que deixaria o País, a equipe econômica acabou sendo surpreendida com o fechamento da fábrica de Camaçari (Bahia), considerada moderna e que recebeu investimentos recentes. A expectativa é que alguma das montadoras que estão investindo no Brasil possa adquirir as instalações e equipamentos dessa unidade.

Fontes da área econômica reconhecem que a notícia da Ford, divulgada num momento de recuperação das vendas em novembro, é "horrível" para o momento. Segundo essas fontes, GM, Fiat e Honda estão com planos de investimento e produção se recuperando. Havia até uma preocupação com a falta de autopeças para a produção.

O anúncio da saída do País da Ford acabou colocando em debate a concessão de bilhões de incentivos tributários para a indústria automobilística. Dados do Ministério da Economia apontam que o nível dessas renúncias fiscais atingiu R$ 43,7 bilhões entre 2010 e 2020. O levantamento leva em consideração o que já foi concedido a todas as empresas do setor, já que os dados individuais são sigilosos.

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.