PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Inflação do aluguel sobe 3,8% na 2ª prévia de maio; salto é de 36,7% em um ano

Índice que mede o reajuste do aluguel, IGP-M teve alta na segunda prévia de maio puxada pela inflação no atacado - Getty Images/iStockphoto/pixelalex
Índice que mede o reajuste do aluguel, IGP-M teve alta na segunda prévia de maio puxada pela inflação no atacado Imagem: Getty Images/iStockphoto/pixelalex

Guilherme Bianchini

Em São Paulo

19/05/2021 11h20

A FGV (Fundação Getúlio Vargas) confirmou hoje uma alta de 3,83% na segunda prévia de maio do IGP-M (Índice Geral de Preços - Mercado), que reajusta o aluguel, após registrar 1,17% em igual decêndio de abril.

Desde este mês, alguns índices e releases deixaram de ser publicados às 8 horas no site do Ibre/FGV (Instituto Brasileiro de Economia da FGV), como era feito anteriormente.

Com o resultado divulgado nesta quarta, o acumulado em 12 meses do índice saltou de 31,57% para 36,69%.

O avanço no indicador foi puxado pela inflação no atacado, com aceleração a 4,96% no IPA (Índice de Preços ao Produtor Amplo), ante 1,28% no segundo decêndio de abril.

O número reflete o aumento nos preços de commodities minerais e agrícolas, como minério de ferro (-3,22% para 18,30%), cana-de-açúcar (2,86% para 19,51%) e soja em grão (0,70% para 3,96%), que fazem parte do grupo Matérias-Primas Brutas (0,16% para 9,53%).

"Esses aumentos antecipam pressões inflacionárias que logo encarecerão produtos alimentícios e bens duráveis no âmbito do consumidor", afirma André Braz, coordenador dos Índices de Preços do Ibre/FGV.

Na análise por estágios de processamento, Bens Finais subiram de 0,97% em abril para 1,29% em maio, com destaque para o subgrupo combustíveis para o consumo (-1,20% para 1,73%).

Bens Intermediários, por sua vez, tiveram leve arrefecimento, de 2,89% para 2,77%, puxados por combustíveis e lubrificantes para a produção (5,22% para 0,45%).

IPC e INCC desaceleram

Ainda sem os repasses da pressão inflacionária na produção, o IPC (Índice de Preços ao Consumidor) arrefeceu a 0,48% no segundo decêndio de maio, ante 0,65% no mesmo período de abril.

A queda em gasolina (6,11% para -0,23%) contribuiu para a desaceleração do grupo Transportes (2,13% para 0,20%), movimento acompanhado por Despesas Diversas (0,49% para 0,15%) e Vestuário (0,16% para 0,09%).

Na outra direção, a alta na tarifa de eletricidade residencial, de 0,22% para 3,40%, puxou um avanço em Habitação, que saltou de 0,47% para 0,96%.

Alimentação (0,11% para 0,39%), Saúde e Cuidados Pessoais (0,76% para 1,03%), Educação, Leitura e Recreação (-0,62% para -0,42%) e Comunicação (0,27% para 0,55%) também registraram acréscimo em suas taxas de variação.

O INCC (Índice Nacional de Custo da Construção) teve desaceleração tímida na segunda prévia do IGP-M, de 1,30% para 1,25%.

O arrefecimento foi influenciado por Materiais e Equipamentos (3,01% para 2,65%), ao passo que Serviços (0,51% para 1,19%) e Mão de Obra (0,01% para 0,06%) registraram avanço.