PUBLICIDADE
IPCA
+0,83 Mai.2021
Topo

Desemprego bate em 14,7% e atinge recorde de 14,8 milhões de brasileiros

Daniela Amorim

28/05/2021 08h00

Apesar dos sinais de recuperação da atividade econômica no primeiro trimestre, a taxa de desemprego no período subiu para 14,7%, ante 13,9% no fechamento de 2020, levando o total de desempregados no País a 14,805 milhões. Tanto o índice quanto o contingente de desocupados são os maiores de todos os trimestres da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do IBGE, iniciada em 2012. Só no intervalo entre dezembro e março, 880 mil pessoas a mais passaram a buscar uma vaga no mercado de trabalho.

"A Pnad retrata um mercado de trabalho enfraquecido, com taxa de desemprego nas máximas históricas. E, olhando qualitativamente, uma série de indicadores corrobora essa visão, com desalento também elevado. Não há ocupação suficiente para esses trabalhadores, e eles estão perdendo o ímpeto de procurar emprego", afirma o economista sênior do Banco ABC Brasil, Daniel Xavier.

Se forem considerados todos os brasileiros que estão subutilizados, faltou trabalho para inéditos 33,202 milhões no País no primeiro trimestre. Essa conta inclui quem busca emprego, quem trabalha menos horas do que gostaria e poderia e ainda os que estão disponíveis para trabalhar, embora não estejam buscando vaga - caso dos chamados desalentados. É um número equivalente ao da população de países como Peru ou Angola.

Para Lucas Assis, analista da Tendências Consultoria Integrada, o mercado de trabalho foi afetado pela dispensa de trabalhadores temporários contratados no fim do último ano, mas também pelas restrições ao funcionamento das atividades em função da pandemia. Por outro lado, as políticas de isolamento social relativamente mais brandas e o fim temporário do auxílio emergencial ampliaram a oferta de mão de obra, justificou o analista da Tendências, que prevê uma taxa de desocupação média de 14% em 2021, acima dos 13,5% registrados em 2020.

Assis reconhece o risco de possíveis instabilidades, como uma eventual terceira onda de covid-19, mas prevê geração de vagas nos próximos meses em decorrência da maior resiliência da atividade econômica doméstica e de políticas de governo, como a renovação do programa de manutenção do emprego e renda.

"Aumentar a desocupação no primeiro trimestre de cada ano não é uma situação específica deste ano de 2021, é um comportamento relativamente esperado para este momento do ano. O que a gente tem é que essa sazonalidade pode estar sendo reforçada pelo acúmulo que a gente vem tendo ao longo de 2020 de uma queda muito significativa de pessoas ocupadas", diz Adriana Beringuy, analista da Coordenação de Trabalho e Rendimento do IBGE. "Os que contribuíram para o aumento na desocupação foram as mulheres, foram pretos e pardos e, em termos regionais, foram Norte e Nordeste do País."

Pelos dados do IBGE, a população ocupada somou 85,650 milhões de pessoas no primeiro trimestre, 529 mil a menos em um trimestre. Em relação a um ano antes, 6,573 milhões de trabalhadores perderam seus empregos. Em relatório, a XP Investimentos afirmou esperar melhora em ritmo moderado do emprego nos próximos meses, mas ainda assim prevê que a população ocupada só vai retornar aos níveis pré-pandemia ao fim de 2022.

Inativos

A taxa de desemprego no trimestre só não foi maior porque a população inativa aumentou em 225 mil pessoas no período. Em relação ao mesmo período de 2020, esse número cresceu em 9,202 milhões.

Segundo especialistas, a melhora do mercado vai depender da capacidade da economia interna de gerar postos de trabalho em quantidade suficiente para absorver toda essa mão de obra que deve voltar a ficar disponível nos próximos meses. A estabilidade da chamada taxa de participação - que mostra a proporção de pessoas em idade de trabalhar participando efetivamente do mercado de trabalho - foi destacada pelo economista Daniel Duque, pesquisador do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getúlio Vargas (Ibre-FGV). Ele já esperava um aumento do retorno dos inativos em busca de emprego.

"(A taxa de participação) Está parada desde novembro, as pessoas não estão voltando ao mercado de trabalho. É algo bastante atípico. Está cinco pontos porcentuais abaixo do pré-pandemia", diz ele, que espera que a taxa de desemprego ainda avance nas próximas leituras da Pnad Contínua, encerrando o ano de 2021 com uma média de 14,8%.

A taxa de desocupação alcançou patamar recorde em 12 das 27 unidades da Federação no primeiro trimestre: Rondônia (11,4%), Tocantins (16,3%), Maranhão (17,0%), Piauí (14,5%), Ceará (15,1%), Pernambuco (21,3%), Alagoas (20,0%), Sergipe (20,9%), Bahia (21,3%), Minas Gerais (13,8%), Rio de Janeiro (19,4%) e Goiás (13,5%). No Estado de São Paulo, a taxa de desemprego ficou em 14,6%. (Colaboraram Guilherme Bianchini, Thaís Barcellos, Érika Motoda, Wesley Gonsalves, Jullie Pereira da Silva e Sarah de Paula Americo)

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.