PIB do 2º trimestre de 2023 sobe 0,9% ante o 1º trimestre, revela IBGE

O Produto Interno Bruto (PIB) brasileiro registrou alta de 0,90% no segundo trimestre de 2023 ante o primeiro trimestre, informou na manhã desta sexta-feira, 1, o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado veio acima da mediana das previsões de analistas consultados pelo Projeções Broadcast, que esperavam alta de 0,3%. O intervalo das estimativas ia de queda de 0,1% a uma alta de 1,1%.

Na comparação com o segundo trimestre de 2022, o PIB apresentou alta de 3,40%, resultado que também superou a mediana das previsões do mercado, que apontava avanço de 2,7%. O intervalo das projeções, neste caso, ia de elevação de 0,4% a 3,6%.

Ainda segundo o instituto, o PIB do segundo trimestre de 2023 totalizou R$ 2,651 trilhões.

O Produto Interno Bruto da indústria registrou alta de 0,90% no segundo trimestre de 2023 ante o primeiro trimestre. Na comparação com o segundo trimestre de 2022, o PIB apresentou avanço de 1,50%.

O PIB da agropecuária registrou baixa de 0,90% no segundo trimestre de 2023 ante o primeiro trimestre, informou o IBGE. Na comparação com o segundo trimestre de 2022, o PIB apresentou avanço de 17,00%.

Já o PIB de serviços registrou alta de 0,60% no segundo trimestre de 2023 ante o trimestre anterior. Na comparação com o segundo trimestre de 2022, o PIB apresentou avanço de 2,30%.

O consumo das famílias registrou alta de 0,90% no segundo trimestre de 2023 ante o primeiro trimestre, informou o IBGE. Na comparação com o segundo trimestre de 2022, o consumo das famílias apresentou avanço de 3,00%.

O consumo do governo, por sua vez, subiu 0,70% no segundo trimestre de 2023 ante o primeiro trimestre. Na comparação com o segundo trimestre de 2022, o consumo do governo teve alta de 2,90%.

A Formação Bruta de Capital Fixo (FBCF) registrou alta de 0,10% no segundo trimestre de 2023 ante o primeiro trimestre. Na comparação com o segundo trimestre de 2022, a FBCF apresentou recuo de 2,60%. Segundo o instituto, a taxa de investimento (FBCF/PIB) do segundo trimestre ficou em 17,20%.

Deixe seu comentário

Só para assinantes