Após subir a R$ 5,04 na abertura, dólar cai a R$ 5,01 com emprego ADP fraco nos EUA

Após leve alta nos primeiros negócios, o dólar passou a cair ante o real na manhã desta quarta-feira, 1º de novembro, acompanhando o ajuste de baixa frente alguns pares emergentes no exterior, como peso mexicano, rublo, e rand sul africano, em reação aos fracos dados de criação de empregos no setor privado nos Estados Unidos em outubro. Os juros dos Treasuries ampliaram queda. O juro da T-Note de 10 anos renovou mínima intraday a 4,841%.

O setor privado dos Estados Unidos criou 113 mil empregos em outubro, segundo pesquisa com ajustes sazonais divulgada nesta quarta pela ADP. O resultado veio bem abaixo da expectativa de analistas consultados pela FactSet, de geração de 142,5 mil postos de trabalho no mês passado. Reforça a expectativa com o anúncio de manutenção de juros nos Estados Unidos hoje e com o comunicado do Federal Reserve (Fed, o banco central norte-americano) e comentários de seu presidente, Jerome Powell.

Já a produção industrial brasileira subiu 0,1% em setembro ante agosto, na série com ajuste sazonal, informou hoje o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). O resultado superou a mediana de -0,1% das projeções do mercado (-0,5% a alta de 0,3%). Em relação a setembro de 2022, a produção subiu 0,6% - em linha com o previsto.

Os investidores seguem atentos ao risco fiscal, esperam mudança na meta de déficit zero para 2024 e se voltam à potencial calibragem dos novos objetivos fiscais do governo. Também há um compasso de espera pela decisão de política monetária do Federal Reserve, enquanto a reação ao comunicado do Comitê de Política Monetária (Copom) só virá na sexta-feira, após o feriado do Dia de Finados.

A maioria nos mercados aposta que o Fed deixará seus juros inalterados na faixa de 5,25% a 5,50%, pela segunda vez consecutiva, enquanto para o Copom a aposta é de corte de 0,50 ponto porcentual da Selic para 12,25%, e mais dois da mesma magnitude em dezembro e janeiro. Com as apostas muito consolidadas, as atenções ficam mais no teor dos comunicados e na coletiva com o presidente do Fed, Jerome Powell.

Na agenda interna, mais cedo, o Índice de Preços ao Consumidor - Semanal (IPC-S) teve alta de 0,45% no encerramento de outubro, após registrar alta de 0,27% em setembro. O resultado do mês ficou próximo do teto das estimativas colhidas pelo Projeções Broadcast, de 0,47%.

Já o Índice de Confiança Empresarial (ICE) caiu 1,2 ponto em outubro ante setembro, para 92,9 pontos, informou a Fundação Getulio Vargas (FGV). Em médias móveis trimestrais, o índice recuou 0,4 ponto em outubro.

Às 9h49, o dólar à vista caía 0,28%, a R$ 5,0269, após mínima a R$ 5,0189 (-0,45%) há pouco e máxima, a R$ 5,0454 (+0,08%) no começo da sessão. O dólar para dezembro cedia 0,22%, a R$ 5,0430.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes