Falta de chuva no Norte gera alerta no ONS

A falta de chuvas no Norte do País, que sofre a influência do fenômeno

climático El Niño, pode levar o Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) a adotar medidas

excepcionais em 2024, para preservar os reservatórios da região, disse ao Estadão/Broadcast

o diretor-geral do órgão, Luiz Carlos Ciocchi. O diagnóstico sobre como o Operador vai lidar

com a questão deve acontecer entre fevereiro e março do próximo ano, quando será possível fazer

uma avaliação melhor.

Segundo Ciocchi, os técnicos do ONS têm feito acompanhamento contínuo da situação e já levaram a

questão ao Comitê de Monitoramento do Sistema Elétrico (CMSE): "Dependendo da quantidade de chuva

que entrar no começo do ano teremos de tomar algumas medidas. Não há sinal alarmante, mas

monitoramento é contínuo".

Entre as medidas que têm sido consideradas estão algumas de ordem operativa, visando

principalmente poupar os reservatórios de cabeceira, seguindo as medidas que foram adotadas

durante a crise hídrica de 2021, e eventuais despachos (acionamento) de usinas térmicas. Segundo

ele, a adoção de um conjunto de medidas mais cedo permitiria utilizar as termoelétricas mais

baratas e segurar o acionamento daquelas com Custo Variável Unitário (CVU) maior, reduzindo o

impacto tarifário para os consumidores.

DESAFIO. Outro desafio para o ONS tem sido lidar com as mudanças no perfil de consumo de

energia no País, que tem se tornado cada vez mais complexo principalmente devido à expansão de

fontes não despacháveis e à geração distribuída (GD), termo dado à energia gerada no local de

consumo ou próximo a ele, de diversas fontes renováveis, como solar, eólica e hídrica.

Ciocchi diz que hoje o ONS já tem feito malabarismos para fazer o chamado "fechamento de ponta",

uma vez que todos os dias, no fim da tarde, o desligamento dos sistemas de GD cria uma demanda de

aproximadamente 20 gigawatts (GW) por energia do sistema, em questão de três horas: "E temos de

colocar toda essa energia no sistema. Agora, imagine todo o preparo na sala de operação, e temos

de fazer isso de maneira coordenada".

As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes