IPCA para 2023 passa de 4,46% para 4,47%; para 2024 segue em 3,90%

A expectativa para a inflação de 2023 oscilou para cima no Relatório de Mercado Focus divulgado nesta segunda-feira, 8. A projeção passou de 4,46% para 4,47%. Um mês antes, a mediana era de 4,51%. Para 2024, foco da política monetária, a projeção seguiu em 3,90%. Há um mês, era de 3,93%.

Considerando as 44 estimativas atualizadas nos últimos cinco dias úteis, a mediana para 2023 passou de 4,45% para 4,54%. Para 2024, por sua vez, a projeção passou de 3,90% para 3,83%, considerando também 44 atualizações no período.

Para 2025, que também está no foco das decisões do Copom, a projeção continuou em 3,50% pela 24ª semana consecutiva - o que evidencia a reancoragem apenas parcial destacada pelo BC após a manutenção da meta de inflação em 3,0% para os próximos anos. No horizonte mais longo, de 2026, a estimativa também seguiu em 3,50%, pela 27ª semana seguida.

As estimativas do Relatório de Mercado Focus continuam acima do centro das metas para a inflação. Para 2023, a mediana está abaixo do teto da meta (4,75%), evitando o estouro do objetivo a ser perseguido pelo BC pelo terceiro ano consecutivo, depois de 2021 e 2022. Nos outros anos, as expectativas estão dentro do intervalo e também superam o alvo central de 3,0%.

O Comitê de Política Monetária (Copom) divulgou em dezembro projeção de 3,5% para o IPCA de 2024, abaixo dos 3,6% da reunião anterior, de novembro. Para 2025, seguiu em 3,2% no modelo. Para 2023, a projeção foi atualizada de 4,7% para 4,6%. O colegiado reduziu a Selic pela quarta vez consecutiva em 0,50 ponto porcentual, para 11,75% ao ano.

Projeção suavizada

Os economistas do mercado financeiro mantiveram no Relatório de Mercado Focus desta semana a expectativa para a inflação suavizada para os próximos 12 meses em 3,88%, de 3,91% há um mês.

Em junho do ano passado, o ministro da Fazenda, Fernando Haddad, anunciou ao Conselho Monetário Nacional (CMN) que o presidente Luiz Inácio Lula da Silva irá editar decreto estabelecendo uma meta contínua de inflação a partir de 2025, em substituição à atual meta-calendário.

No dia 20 de outubro, porém, Haddad confirmou que não havia previsão para publicar o decreto que regulamenta a meta de inflação contínua. "Até aqui, não (há previsão de publicar o decreto). Consultas estão sendo feitas pela Secretaria de Política Econômica da Fazenda. Mas nós temos tempo, e provavelmente até o final do ano nós vamos ter notícias", disse o ministro, em São Paulo.

O secretário de Política Econômica, Guilherme Mello, disse ao Estadão/Broadcast que a SPE já terminou a pesquisa sobre as experiências internacionais, mas que ainda não houve apresentação para o restante da equipe econômica nem para o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, responsável por editar o decreto.

Na avaliação do diretor de Política Econômica do BC, Diogo Guillen, uma maior autonomia requer maior prestação de contas, mas a autoridade monetária não antecipa nenhuma mudança na política monetária em função da introdução da meta contínua.

Curto prazo

Os economistas revisaram as expectativas de inflação de curto prazo no Relatório de Mercado Focus de hoje. A mediana para dezembro de 2023 passou de 0,40% para 0,41%. Há um mês, a expectativa era de 0,45%. Para o IPCA de janeiro de 2024, a estimativa passou de 0,36% para 0,37%, de 0,40% um mês antes. Já para fevereiro, a previsão para o indicador passou de 0,64% para 0,65%, ante 0,58% de quatro semanas atrás.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes