Dólar cai com realização, após subir com rendimentos de Treasuries

O dólar perdeu força e exibia baixa na manhã desta terça-feira, 23, com uma realização de lucros, após subir no mercado à vista nos primeiros negócios, estendendo ganhos de segunda-feira (+1,23%) e em janeiro (+2,76%). A moeda americana renovou mínima, aos R$ 4,9775 (-0,20%), ante máxima aos R$ 5,002 (+0,29%) após a abertura.

O recuo do mercado de câmbio é limitado pela valorização externa do dólar frente a outras moedas rivais e várias emergentes e ligadas a commodities, como peso mexicano e peso chileno, diante da subida dos juros longos dos Treasuries nesta manha.

O mercado mostra reação limitada à entrevista do ministro da Fazenda, Fernando Haddad, ao programa Roda Viva, e do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a uma radio em Salvador, enquanto aguarda pelos dados da arrecadação federal de dezembro (10h30).

Haddad disse que uma eventual revisão da meta de déficit zero traçada para 2024 não foi discutida recentemente com o presidente Lula, mas pontuou que "houve desidratação" das medidas apresentadas pelo governo ao Congresso. Do lado da receita, o ministro voltou a defender a revisão da desoneração da folha de pagamentos, de forma gradual, e disse esperar uma decisão a respeito até a próxima semana.

Segundo ele, os presidentes da Câmara, Arthur Lira (PP-AL), e do Senado, Rodrigo Pacheco (PSD-MG), "não pareceram refratários a dialogar reoneração", após ruídos no mercado ontem por temores de que o debate sobre a desoneração provoque uma antecipação na decisão de rever a meta fiscal. Haddad disse não temer problemas na tramitação da agenda econômica no Congresso em 2024 e reiterou ser necessário ter cautela com os benefícios fiscais, que precisam ter limites de prazo e contrapartidas definidos em lei. "Não está havendo aumento de carga tributária, não criamos impostos ou elevamos alíquotas", reiterou. Ao ser questionado sobre a agenda de corte de gastos, defendeu começar a discutir custos "pelo andar de cima".

Sobre o Programa Emergencial de Retomada do Setor de Eventos (Perse), Haddad disse que o presidente da Câmara, Arthur Lira, o deputado Felipe Carreiras e membros do seu futuro gabinete discutiram em 2022 um limite total para o Perse, de R$ 20 bilhões, e não um acordo temporal. Lira rebateu o ministro: "Ele não combinou comigo. Combinou R$ 25 bilhões com o Congresso."

Já o presidente Lula disse mais cedo, em entrevista à Rádio Metrópole, de Salvador, que o "Congresso tem tido compreensão necessária das coisas que temos que fazer" e que não tem do que reclamar da relação do Poder Executivo e o Congresso. "Negociações com o Congresso estão indo, senão 100% do que queríamos, mas 60%, 70%".

O IPC-S acelerou de 0,49% para 0,59% na passagem da segunda para a terceira quadrissemana de janeiro. Com o resultado, o índice acumula alta de 3,33% em 12 meses, após 3,23% na leitura anterior.

Às 9h36, o dólar à vista tinha queda de 0,11%, a R$ 4,9820. O dólar para fevereiro perdia 0,17%, a R$ 4,9870. Em Nova York, o retorno da T-note de 2 anos estava a 4,406% (igual ao anterior no fim da tarde de segunda), enquanto o da T-note de 10 anos subia a 4,130% (ante 4,105%) e o do T-bond de 30 anos avançava a 4,355% (ante 4,324%).

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes

As mais lidas agora