'Colchão da dívida' sobe 8,09% em dezembro, para R$ 982,37 bilhões, revela Tesouro

O Tesouro Nacional encerrou dezembro com R$ 982,37 bilhões no chamado "colchão da dívida", a reserva de liquidez feita para honrar compromissos com investidores que compram os títulos brasileiros. O valor observado é 8,09% maior em termos nominais que os R$ 908,86 bilhões que estavam na reserva em novembro.

O montante ainda é 16,45% menor, em termos nominais, que o observado em dezembro de 2022 (R$ 1,175 trilhão).

O valor serve de termômetro para saber se o País tem recursos para pagar seus investidores ou precisará recorrer rapidamente ao mercado para reforçar o caixa.

O montante de dezembro era suficiente para cobrir 7,57 meses de pagamentos de títulos, ante 8,34 meses em novembro.

O Tesouro trabalha com um mínimo prudencial equivalente a uma reserva para três meses de vencimentos. "Cabe destacar que os meses de janeiro, março, abril e julho de 2024 concentrarão vencimentos estimados em R$ 747,09 bilhões", diz documento da autarquia.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes