Ibovespa sobe para nível de 128 mil pontos, mesmo com queda na maioria das bolsas no exterior

No último pregão de janeiro, o Ibovespa abriu no zero a zero mas migrou para alta, apesar da queda da maioria das bolsas internacionais e das commodities. A elevação é vista como um ajuste, dadas as duas últimas sessões em que fechou em baixa. Ficam no radar a taxa de desemprego brasileira, informada mais cedo pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), de 7,4%, a menor desde 2014, e o balanço do Santander Brasil.

Contudo, a alta tende a ser insuficiente para apagar o tombo de cerca de 4,42% deste mês até as 10h40, o que será o pior desde janeiro de 2016.

A taxa de desocupação no Brasil ficou em 7,4% no trimestre encerrado em dezembro, de acordo com os dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) divulgados mais cedo pelo IBGE. Essa é a menor taxa de desemprego para um quarto trimestre desde 2014 (6,6%).

Diante disso e de perspectivas de queda da Selic, ações ligadas ao ciclo econômico sobem, caso de CVC e Magazine Luiza, por exemplo, com ganhos entre 4,18% e 3,54%, respectivamente.

Segundo o economista da CM Capital Matheus Pizzani, em meio ao quadro de queda de juros no Brasil e ao potencial de efeitos favoráveis do programa Desenrola do governo federal na economia brasileira, há uma expectativa positiva para o mercado de trabalho principalmente por meio da melhora do consumo.

Contudo, pondera que a alta do Ibovespa, "pode ser só um suspiro, não só por hoje ser uma Super Quarta mas em razão do cenário que temos. O nível de incerteza é maior do que nas últimas reuniões", avalia, ao referir-se especialmente ao Fed, para o qual espera que um início de queda dos juros comece apenas em junho, embora alguns esperem que isso aconteça em março e outros, em maio. Para o Copom estima corte de 0,50 ponto porcentual no juro hoje, com a Selic indo a 8,50% no fim de 2024.

O mercado está na expectativa das decisões sobre juros no Brasil e nos Estados Unidos nesta quarta-feira Espera-se que o Comitê de Política Monetária (Copom) corte a Selic de 11,75% para 11,25% ao ano.

Já o Federal Reserve (Fed, o banco central dos Estados Unidos) deve manter as taxas no nível atual, entre 5,25% e 5,50%, ficando as expectativas em torno do comunicado e da entrevista coletiva do presidente Jerome Powell. O mercado ficará atento a eventuais sinais sobre quando o Fed iniciará a queda dos juros, se em março ou maio.

Hoje, nos EUA, saíram dados de emprego, que podem dificultar as apostas em relação a quando o Fed iniciará o corte de juros americanos: se em março ou maio.

Nos EUA, houve geração de 107 mil vagas de trabalho em janeiro, ante previsão de analistas de 145 mil. Além disso, o índice de custo de emprego dos EUA subiu 0,9% no quatro trimestre de 2023, ficando aquém da previsão 1%.

Ontem, o Ibovespa fechou em baixa de 0,86%, aos 127.401,81 pontos.

Entre as commodities, destaque para baixa de 3,08% do minério de ferro em Dalian, na China, cotado a US$ 133,83, após o PMI industrial chinês indicar contração na manufatura pelo quarto mês consecutivo. As ações da Vale cediam 0,70%. Já as da Petrobrás subiam cerca de 0,30%, com o petróleo cedendo perto de 0,90%.

Hoje, o Santander Brasil abriu a temporada de balanços com lucro líquido recorrente de R$ 2,204 bilhões no quarto trimestre de 2023, alta de 30,49% ante mesmo período de 2022. O resultado veio 22,5% abaixo da estimativa do Prévias Broadcast, que esperava lucro líquido de R$ 2,843 bilhões sem o "efeito Americanas".

Conforme a Guide Investimentos, o resultado foi negativamente impactado por perdas de crédito nas operações com grandes empresas. "Vale destacar que, excluindo a perda de crédito mencionada acima, o resultado teria ficado em linha com o esperado. Ainda assim, esperamos uma reação negativa do mercado hoje", cita em nota

No quarto trimestre de 2023, a inadimplência da carteira de crédito do Santander Brasil era de 3,1%, pelo critério de atrasos acima de 90 dias. O número ficou estável em relação ao final de 2022, mas aumentou 0,1 ponto porcentual na comparação com o terceiro trimestre do ano passado.

Às 10h48, o Ibovespa subia 0,70%, aos 128.297,56 pontos, após avançar 0,74%, na máxima aos 128.345,43 pontos, ante mínima aos 127.326,08 pontos (-0,06%). Fora Santander (-1,64%), as ações de grandes bancos avançavam.

Veja também

Deixe seu comentário

Só para assinantes