Lula sanciona reajuste da tabela do Imposto de Renda em ato das centrais sindicais

No evento das centrais sindicais em comemoração ao Dia do Trabalhador, o presidente da República, Luiz Inácio Lula da Silva, sancionou nesta quarta-feira, 1º, o reajuste da tabela do Imposto de Renda. A nova lei altera os valores da tabela progressiva mensal do IR.

Agora, a faixa de isenção foi estendida para quem ganha até dois salários mínimos, R$ 2.824.

O presidente voltou a se comprometer, até o final de seu mandato, a elevar esse valor para R$ 5.000.

Segundo Lula, sua ideia é "despenalizar" a população de baixa renda "e fazer com que o muito rico pague imposto de renda nesse País".

Mesmo assim, o presidente afirmou que "o que é importante" neste momento é destacar o aumento do salário e a diminuição da inflação.

"Hoje eu posso olhar na cara de vocês e dizer que nós vamos fazer um mandato melhor que os outros dois", disse o presidente.

Justificativas para o veto à desoneração em folha

No mesmo evento promovido pelas centrais, Lula justificou o veto à desoneração em folha de 17 setores da economia. "A gente faz desoneração quando o povo pobre ganha", afirmou.

Cobrando contrapartidas dos setores para oferecer a desoneração, ele voltou a afirmar que "no nosso País não haverá desoneração para favorecer os mais ricos".

O presidente também afirmou que todo o alimento da cesta básica será desonerado e que "não terá imposto de renda sobre comida para o povo trabalhador desse País".

A pedido da Advocacia-Geral da União (AGU), o ministro Cristiano Zanin suspendeu a prorrogação da folha de pagamentos de 17 setores da economia e dos municípios. O Congresso havia derrubado o veto de Lula ao projeto.